quarta-feira, 10 de maio de 2017

OS MEUS " SILÊNCIOS "





Publiquei há dias um livro.  Um livro insuspeito ... de poesia... Todos esperavam um, de prosa.
Uma espécie de pirraça do destino, neste caso o meu destino literário.
Desde que me conheço mais ou menos, que sempre rabisquei nos papéis que me acompanham em permanência,  frases, ideias, textos, crónicas ...
Às vezes coisas terminadas, outras, coisas incompletas  para burilar, para repensar, para "mastigar" e "digerir", se for o caso.
O futuro ? É sempre incerto ! Algumas agradam-me e ficam ... outras têm um fim triste à espera !

De há uns tempos a esta parte,  reincidi, mas em poesia ... nunca lhe dando, contudo,  valor particular. Sempre achei que a minha expressão poética tem muito de "demodée", face às correntes actuais de escrita sem nenhum tipo de preocupação de rima.  Escreve-se quase sempre em texto poético e chama-se-lhe poesia.
Não discuto  nada disto.  Não tenho conhecimentos  literários de estilos e suas características, em profundidade suficiente que possa pronunciar-me.
Fui "formada" com poesia clássica ... vou chamar-lhe assim.  Florbela e os seus sonetos, uma inspiradora musa, sempre presente!
Assim me formatei, e assim comecei a dar pequenos passos neste mundo.
No entanto, sempre volto à mesma. Para mim, um poema tem que ter um ritmo melódico, uma "música" por detrás, um fundo de vai-vem de ondas no areal ...
Sem esse desiderato, dou a coisa por imperfeita e inacabada ... em suma, insatisfatória !

Ainda assim, e continuo surpresa com os acontecimentos, as críticas têm sido generosas e muito positivas! Quase me convenço que ... talvez ... quem sabe... eu esteja a ser redutora e implacável comigo mesma.

Bom, por insistência de amigos que me impediram de delapidar o incipiente entusiasmo inicial, lá publiquei o dito.
De seu nome "Silêncios", porque alberga dentro de si, estados de alma, sentires, emoções que não se descrevem de viva voz ... Que apenas se pressentem e adivinham nos longos silêncios que povoam a minha vida.
Por assim dizer, cada poema "de per si", fala da profundidade do meu "eu"  interior, e conduz o leitor, creio, exactamente à quietude da minha interioridade silenciosa, lá longe, naqueles recônditos lugares algo inacessíveis, que são o meu coração e a minha alma.

Fez-se uma festa ... e isso, foi de facto o grande prémio que me dei.
Dei asas aos sonhos, "viajei" na alegria de ter tido comigo quase todos os amigos, de longe e de perto que me estreitaram no laço de uma amizade que não tem tamanho, idade ou tempo ...
Senti-me menina mimada, acarinhada, embalada nos braços e nos colos de todos os que responderam à "chamada" ...  Foi uma felicidade só !!!
A festa fez-se de flores, fez-se de música, de risos, de sonhos ... e também de lágrimas. Muitas lágrimas correram ...
E esse 2 de Maio virou  uma das datas do meu calendário pessoal ( eu, que sou avessa às calendarizações oficiais impostas socialmente ), a nunca, nunca mais ser esquecida !

As pessoas parabenizam-me pelo sucesso ...
Sucesso ?  Não !  Apenas realização pessoal.  Uma espécie de realização de compromisso de mim para mim, uma espécie de concretização de alguma coisa importante, que se vinha adiando na minha vida ... tão só !

Como diria o Chico ... "Foi bonita a minha festa pá" !!!...

Anamar

" PEDAÇOS "




Os meus pedaços perdidos
andam aí pelo chão
Cada um guarda de mim,
das minhas "estórias" sem fim,
o que lhe coube em quinhão...
Pedaços da minha vida
Retalhos do meu sofrer
fui-os  dando por aí                
em sonhos que já esqueci,
nesta ânsia de viver ...
Dei o sorriso do rosto,
as mágoas do coração
Dei os braços que estreitavam
aqueles a quem amavam
e levantavam do chão ...
Dei o corpo e dei a alma
Dei amor e dei paixão ...
Fui dando bem ao meu jeito
rosas brotadas do peito
e floridas no Verão !
Deixei rastos e caminhos
Deixei marcas e pegadas
Andei estradas, lancei pontes
Busquei novos horizontes
com esperanças acreditadas ...
Isto foi p'ra mim a Vida
Dei-me inteira no amar
Fui vulcão e fui torrente
Sempre caminhei  em frente,
como o rio corre para o mar !...

Anamar

quarta-feira, 26 de abril de 2017

" A DESTEMPO ... "






A  DESTEMPO ...



O destempo do tempo da minha vida
é condenação por mim vivida ...
nunca nada é, se eu quero que fosse ...
É fruta verde de uma árvore que tombou
É flor de um jardim que alguém roubou
É dor enlouquecida amarga e doce

É chuva de Março no Verão,
que promete refrescar a solidão
mas que chega quando é hora de partida ...
É vento do deserto que me embala
descompasso em desespero que se cala
É franja de maré entretecida ...

É búzio abandonado na areia
É turbilhão de maré cheia
que chega e parte, descontente ...
É verso inacabado no meu peito
É loucura esquecida no meu leito
quando o ontem se quer  tornar presente !

E sempre é a destempo o meu viver
Interrogo a razão do meu sofrer
Ironia e brincadeira do destino ...
É pirraça de existência que me foge,
Um passado que esbraceja p’ra ser hoje
Desacerto alucinado e peregrino !...

Anamar

quinta-feira, 30 de março de 2017

" DANÇANDO NA CHUVA "





Sempre achei graça àquele pinheiro no recorte da paisagem lá longe, tendo por detrás apenas o céu, já que tudo o mais lhe fica aos pés.

Pinheiro, abeto ... araucária não me parece ser, continua garboso, ano após ano, absolutamente só, erguido a ventos e temporais.
Eu diria que ele se orgulha de por ali continuar feito um farol erecto, vigilante dos céus bem acima e observador da terra ... bem abaixo.

Deve ter muitas histórias para contar.  Afinal,  ele escuta a conversa dos melros e dos gaios que por aqui perambulam dia após dia.
De longe, observa as andorinhas no afã dos ninhos, e depois, daqui a uns meses, assiste-lhes aos primeiros projectos de voo.
Do alto, alcança a orla do mar que se adivinha, e adormece no balanço do vento que o sacode sem nunca lhe desalinhar as agulhas dos ramos.
É um desafiador, este pinheiro !
É um resistente também.  Verga, verga mas não claudica.
A vetustez do seu tronco atesta-lhe os Verões e Invernos que já lhe passaram.  É um ancião no sobrado da paisagem !...

Acho que me pareço um pouco com aquele pinheiro.
Também como a ele, a vida me balançou nas intempéries do destino.  Também por mim as Primaveras e os Outonos se sucederam.  Conheci os frios das amarguras gélidas dos Invernos, e a promessa das espigas maduras nos Verões dourados.
Os ventos açoitaram-me a alma.  O nevoeiro abateu-se vezes demais.
E eu ali, firme e hirta, teimosa e casmurra, aprendendo a equilibrar-me na tempestade .
Nunca deixei de olhar lá longe, como ele, o pinheiro.  Divisei céus azuis, nesgas de bonança, chilreado de pássaros, sussurro de asas de borboleta ...
Tudo isso foi sobrevivência e aposta de vida.  Tudo isso foi respirar fundo, erguer a cabeça, secar os olhos, arregaçar as mangas e enfrentar ...
Enfrentar a desesperança penumbrenta, vencer os pedregulhos do caminho, desafiar as borrascas que apostavam em roubar-me o sonho ... teimar com o tempo que prometia injustamente fugir-me ...

E caminhar, caminhar ... adiante ... sempre adiante, mantendo a coerência daquilo que sou, encarando as incompletudes da minha dimensão humana, acreditando nas luzernas de um sol espreitador, amando a "primavera" renovadora,  e aprendendo a não mais me molhar na chuva, mas sim a dançar no meio dela ...
E nunca desistir !...

Porque VIVER, é isso ! ...

Anamar

segunda-feira, 6 de março de 2017

" EM JEITO DE BALANÇO ..."




Folheei em retroespectiva as páginas do primeiro volume deste blogue.
Datam de 2007, ano em que de repente, brincando, tacteando, experimentando, dei os primeiros passos neste mundo da blogosfera.
De quando em vez gosto de reler os meus escritos à época, até porque através deles consigo visionar o que eu era, como era a minha realidade, quais os meus anseios, inquietudes, angústias e assomos de felicidade.
Porque eu sou assim, e sempre deixo escorrer através das minhas letras, os meus estados de alma, sem preocupações, maquilhagens, disfarces, máscaras ...
Eu sou de facto assim, e "dispo-me" sem reticências, sem receios de valorações, sem preocupações do socialmente correcto ou incorrecto.

Se de alguma coisa eu sou dona, neste mundo, é das minhas escolhas, decisões, sentires... e livre arbítrio, também ... sem sustos ou pudores.
A idade entretanto vai-me conferindo independência, despreocupação, "estatuto" ... O tal estatuto que eu acredito ser de facto "um posto",  nesta vida.

Já vou em quinze volumes das postagens que aqui deixo.  Passei todas as publicações, comentários e afins, a suporte de papel ( sou da velha guarda, não esqueçam ... e esta coisa da net, da "cloud", "Dropbox", "OneDrive", pouca confiança me dá, dados os "cataclismos" por vezes ocorridos neste mundo virtual ), e com eles elaborei ano após ano, uns livritos que "enfeitam" a minha estante ...

Será herança patrimonial para quem cá ficar e os queira.  Valem o que valem, poderão interessar ou não, aos meus continuadores ... Um dia terão um fim previsível, creio !

Uma das coisas que me chamou a atenção, nesta romagem à que eu era então, foi a hora a que debitava quase sempre, os meus textos. Verifiquei que varava a noite com toda a displicência, que escrevia preferencialmente na calada da madrugada.
Três da manhã, nessa época, era início de serão para mim.  Refiro com frequência que "sono nem vê-lo", e parece ser verdade que a concentração, a paz e o recolhimento eram requisitos acontecidos, potenciais produtores dos meus relatos.
Parece-me também, ser eu então possuidora de um discurso algo esperançoso, interessado, entusiasmado e entusiasmante, frequentemente.  Sinto em mim, olhando hoje o espelho que me reflecte, que aquele estava imbuído de uma postura de crença face ao futuro, de alguma determinação, expectativa doce, de alguma combatividade.
Eu era alguém com garra, convicção, aposta ... vontade !
Eu acho que acreditava mesmo, que a coisa iria adiante, que eu ainda teria muita história p'ra viver e contar ...

Passaram quase dez anos ... Como a tirania do tempo nos confina mais e mais à realidade, e nos corta as asas do sonho !...

Hoje, já constitui um sacrifício ... ou pelo menos uma desaposta, o esticar da noite madrugada fora.
Hoje, o meu discurso remete-me quase sempre, para uma introspecção reflexiva e algo doída, da minha existência.
As minhas palavras parecem ser mais azedas, mais cansadas, menos confiantes e esperançosas. Mais acomodadas, talvez !
Nos meus textos detecta-se, creio, o enrugado de marcas indeléveis e sem remissão, deixadas pelas intempéries da vida, sem perdão ou piedade.
Sinto uma mornidão que me exaspera e desanima.  Sinto falta da loucura, da adrenalina, do riso, da alegria e da "pedalada" que me norteavam então.
Sinto falta daquele valer a pena que insuflava  o meu espírito e velejava no meu coração.
E pergunto-me : pode uma década ser tão carrasca e impiedosa na nossa saúde física e mental ?
Podem os reveses e as desilusões, os sonhos derrubados e incumpridos, deixar tantas marcas, estragos e destroços numa vida ?!...
Podem os anos, confinar-nos a Invernos sem Primaveras que os sucedam ?!...
Podemos deixar que uma desistência instalada nos tome conta, nos avassale e nos adormeça nos anseios legítimos de quem ainda está vivo ???!!!...

Quero horizontes !  Preciso de pôres, seguidos de nasceres de mais sóis e luas  !  Preciso de pintar, outra vez, o céu com estrelas !
Preciso de refrescar a minha capacidade de deslumbre. A minha capacidade de emoção.
Preciso de recolorir o verde da minha esperança !
Preciso ganhar outra vez asas e sabedoria de voo.  Preciso redescobrir as coordenadas de viagem !

Preciso amar outra vez !  Rebentar de paixão !  Rir loucamente e insanamente soltando a criança, a jovem ... a mulher madura que já fui !
Preciso desgrenhar os cabelos no vento, abraçar o azul embalador do mar, conjugar outra vez convictamente, os verbos "querer", "acreditar", "apostar" e ... "VENCER" ...

Meu Deus ... como preciso !!!...

Anamar

quinta-feira, 2 de março de 2017

" OS NINHOS "






"Os ninhos "

Os passarinhos tão engraçados,
Fazem os ninhos com mil cuidados
São para os filhinhos que estão para ter
Que os passarinhos os vão fazer !

Nos bicos trazem coisas pequenas,
e os ninhos fazem de musgo e penas
Depois, lá têm os seus meninos,
Tão pequeninos ao pé da mãe.

Nunca se faça mal a um ninho,
À linda graça de um passarinho !
Que nos lembremos sempre também
Do pai que temos, da nossa mãe !

                               Afonso Lopes Vieira


As andorinhas iniciaram a sua faina no beiral  lá de casa ... contei ontem.
Revimo-las com sorrisos nos rostos e enternecida admiração.  Afinal, auspiciam tempos felizes e promissores aos lares hospedeiros que escolhem.

A minha mãe, com 96 anos à beira de serem cumpridos, tem uma idade mental quase permanente, talvez de uns 5 ou 6.  A demência progressiva que lhe tolda a mente e o raciocínio, transformou aquela mulher decidida, capaz, viva e independente, num simulacro de gente.
Transformou-a numa criança de tenra idade.
Neste momento, a minha mãe adora os patos da lagoa, fala e trata indistintamente os animais com a pieguice e a ingenuidade protectora de uma criança, infantiliza todas as suas posturas e todas as suas conversas.

Já me martirizei demais por tudo isso. Já me angustiei e rebelei demais contra o destino.
Mas como p'ra tudo o que é irremediável, e que ainda por cima se arrasta temporalmente, devemos encontrar estratégias de convivência  por forma  a defendermo-nos psicologicamente, também eu deixei de chorar, de me amarfanhar, de me revoltar, até mesmo de querer entender.

É simplesmente assim, nada se pode fazer além de lhe falar com a máxima doçura, aceitação e paciência.
Os diálogos parecem tirados de um jardim infantil.
Por isso lhe conto vezes sem conta quem é quem, na nossa família tão pequenina.  Por isso lhe repito os nomes de cada um, desde os pais, ao marido, às netas, bisnetos ... ao meu próprio, e lhe reavivo quem ainda vive, quem já partiu e todos os pormenores referentes à sua vida actual e pregressa.
Por isso lhe fiz, a seu pedido, um esquema  com todas as personagens que a atormentam, quando não consegue lembrar ...
E ri, quando diz que "já fez o trabalho de casa" ao ler e reler essa folha ...
E ri, quando me pergunta : "Filha, então tu és o quê, meu ?"... E fica eufórica  quando a esclareço.
"Ah.... agora já sei que és minha filha !  Já não me engano mais !"....

Também se fascinou com a chegada das andorinhas.
Dizia-me hoje que elas haviam voltado porque sabiam que ali iam encontrar as suas casinhas.
Adora ir, na cadeira de rodas, ao terraço ver as sardinheiras em flor ( que a extasiam ), e o avanço dos ninhos em laboriosa construção.

E então do nada, surpreendentemente, com ar de menina levada de bibe e ardósia, começou a declamar-me, sem erro, as primeiras estrofes deste enternecedor poema de Afonso Lopes Vieira, que aprendera na escola, que fazia parte do seu Livro de Leitura e que por momentos a transportou a um passado longínquo e difuso, espantosamente claro, que a deixou tão feliz !

E eu nem sei bem descrever o misto de sentimentos que me tomou ... Estupefacção, ternura, alegria e tristeza ...
Como a mente humana é insondável e como os mecanismos mentais que norteiam o Homem ao longo da sua existência, fogem ao domínio da nossa compreensão e capacidade de entendimento !
É como se houvesse sempre dentro de nós, um eco que persiste e nos coexiste através dos tempos, rumo à Eternidade !

Por momentos,  a minha mãe  voltou a ser menina outra vez !

Anamar

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

" E ASSIM SERÁ ... "




As andorinhas voltaram ...
E se voltaram é porque a Natureza outra vez milagrou.  Se voltaram, é porque a imortalidade do tempo permanece intocada .

Vi-as em volteios determinados na aragem fria que por ora se sente, esperando uma Primavera anunciada com a brevidade do calendário. Rumam aos ninhos que ainda outro dia deixaram, emancipadas que foram, quando, pressurosas e guiadas pelos pais, fugiam do Inverno desconfortante que se aproximava, e norteavam a África, na sua primeira viagem migratória.
Trazem sorte e felicidade aos beirais que escolhem ... diz-se.  Talvez por ser auspiciosa a sua chegada, mostrando que a renovação não cessa, a esperança não morre ...

É sempre um deslumbre e uma emoção, confrontar-me com os mistérios perfeitamente insondáveis e que não se explicam, das leis da sobrevivência natural.
O "código genético" é poderoso e absolutamente imperativo. E quando pensamos que seres infinitamente pequenos e desapetrechados  quando comparados ao ser humano, respondem com uma inquestionável capacidade e uma eficácia espantosa e precisa, ao que a Biologia define para as suas vidas, temos que forçosamente nos sentir mínimos, insignificantes, fascinados !

Olhei-as na afobação da construção de novas "casas" e na reconstrução das já existentes. Olhei-as, na azáfama de projectos decididos, numa alegria de viagens, chilreios, deambulações apressadas, nos golpes de vento da tarde.
Como seriam as histórias que carregam ?  Como serão as lembranças do oceano, do deserto, dos dias e das noites estreladas, das luas e do sol quente e tórrido das terras lá longe ?  Como será esta liberdade de andorinha que vai e que vem, e sempre e só responde à chamada do destino ?

Por aqui, as mimosas começam a engalanar-se do amarelo esperançoso e promissor, simplesmente porque também elas sentem o apelo da continuidade da Vida.  E por cada canto, por cada nesga generosa de verde e terra tudo eclode numa cascata de cores, de cheiros e de sons ...
E assim será, ano após ano nas existências de cada ser. E assim será, numa renovação prometida, até à eternidade dos tempos.

A vida de cada um é a vida de cada um. É a fatia de contemporaneidade que por aqui partilhamos com tudo o que é vivente.  Mas também com tudo o que nos pré-existiu e existirá depois da nossa passagem.
Estamos em trânsito.
Não somos mais que andorinhas arribadoras.  Não passamos de mimosas que floriram, nas suas Primaveras ... ou sopro de brisa fugaz que perpassa pela copa dos pinhais ...
Mas o privilégio de que dispomos pelo facto de ainda continuarmos a cumprir os nossos desígnios por cada dia que nasce e adormece à tardinha, é uma bênção sem tamanho, é um êxtase e um deslumbramento agradecido à Natureza, mãe embaladora, útero generoso, regaço doce e repousante !

Anamar


segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

" PARA ALGUÉM QUE AINDA NÃO NASCEU "




( Dedicado à minha neta que virá )

Não sei o teu rosto, no entanto adivinho
que virás com um norte, um rumo e missão
de amparar quem cansado percorre o caminho,
de ajudar a erguer quem se sente no chão ...

E levas em frente a história começada
És uma semente que a vida plantou
Uma árvore de sombra na beira da estrada,
Um sopro de esperança que algum deus soprou ...

És uma criança e já és o universo...
A luz de uma estrela para quem está perdido
A força do amor transportada num verso ...
Não sei o teu rosto e no entanto acredito
que tu vais vir
para as margens unir
em pontes lançadas ...
As estrelas te embalam
no céu escuro se calam,
pelas madrugadas !

E tão pequenina,
menina ladina,
como seiva vivaz
tens o mundo no peito,
qual  amor perfeito,
por favor, traz a paz !...

Anamar