terça-feira, 9 de Setembro de 2014

" E SE EU ABRISSE INSOLVÊNCIA ?!... "




Preocupo-me mais, se não me preocupo ...

Eu explico : preocupo-me mais com um estado de letargia e uma postura de indiferença face à vida, do que quando ainda contundo, esbracejo, me indigno, reivindico ... O silêncio, sobretudo o silêncio de alma, é o que mais me aflige.
Porque naquele estado, estou viva, vejo colorido nos dias, tenho esperança, experimento sentimentos, acho que vale a pena, crio metas e objectivos, tenho expectativas que me importam ... encontro razões de vida !  Ainda acredito !
E nada pior que não nos importarmos já, que assimilarmos um amorfismo, uma insensibilidade e um cinzentismo face ao tempo.
Nada pior que condená-lo a um Outono antecipado e perene, fora de época !

E estou nessa !...

Neste momento, e de novo, acho que a minha vida é feita de desperdícios.  Acho que tem sido um caminho perdulário, mal escolhido, mal gerido e mal administrado.
Decididamente eu não dou para gestora, administradora, empresária ...
A vida de cada um é a sua maior empresa e desafio, o seu maior empreendimento.  E obviamente há que saber  levá-lo adiante, com inteligência, determinação, frieza e  clarividência.
Há que administrá-lo com racionalidade, objectividade e sentido prático.  Não pode haver cedências, deslizes, facilitismos.
A vida é real, todos os dias, as emoções só complicam.  Quando entram em cena, quando se sobrepõem e subvalorizam o senso empreendedor do processo, vai tudo "p'ro brejo" !

Portanto, eu não poderia nunca, dar certo ... portanto, eu só poderia obviamente falir o esquema.
Nem sei como me colocam como gerente de um megaprojecto destes !!!...

Cabeça fria na análise das coisas, é tudo menos o que eu tenho, racionalidade nas decisões, também não, clarividência ... com frequência pareço não querer ter, capacidade decisória, menos ainda ...
Aliás, a frequente e sempre presente indefinição e indecisão perante quase tudo, persegue-me com intencionalidade.  Coisa de destino, mesmo !
Tenho  um "peregrino" apelo pelo abismo, omnipotente e omnipresente.  E sempre, entre dois caminhos, sou especialista em escolher o atalho !...

Evidentemente que as minhas "finanças emocionais" têm que estar exauridas, muito mais que os fundos do "Banco mau" ...  Não há Troika por aí que me valha, nem saída que me acuda !
Não há recuperação à vista, nem a curto nem a longo prazo.  As reservas de resistência vão indo, com esta gestão danosa e ineficaz, e a esperança de refundição do processo, afigura-se tarefa titânica e impossível.
Uma auditoria não adianta, porque é linear e adquirido que a responsabilidade é do gestor !
Isso faz, colocarem-se nos cargos, pessoas totalmente desadequadas aos lugares, e sem perfil para o seu desempenho, claro !!!...

E depois há um enorme "handicap" ...  É que não há qualquer possibilidade de renovação ou  rodagem da equipa, porque seria eu, substituída por mim mesma ...
Muito pior que a "Olívia-patroa" e a "Olívia-costureira", da nossa saudosa Ivone Silva,
Por outro lado, eu reconheço ser uma aluna relapsa e desatenta, ou mesmo uma inveterada burra, porque pareço não aprender com os  insensíveis e ríspidos ensinamentos do dia a dia.
Tenho um masoquismo de vida, idiota !  Tenho um olho para entrar com as "jantes" nos buracos, que é obra !   E pareço atrair e cultivar o que me destrói !
Chama-se a isto, uma falta de pragmatismo estúpida demais !!!

O resultado de tudo, é de facto um estado de exaustão, de desencanto e de desistência tal, que me conduz à tal indiferença e letargia insolúveis, de que falava.

E  não  adianta,  porque  quando  o  registo  é  este, "encaracolo",  entro  numa  de "alforreca"  ( como diz a Lena ), fecho para obras, hiberno feito um urso polar, não emigro nas asas das andorinhas porque não posso ... encosto as janelas já que fica um por-de-sol de repente, e penso seriamente : " será que eu não poderia abrir insolvência ???... "

Anamar

sexta-feira, 5 de Setembro de 2014

" SOBREVIVE - SE ... "



A "lei" é a da sobrevivência ... pouco mais !

Nos dias que correm, vivem-se tempos de indefinição, de incerteza, de ansiedade, e por isso, de angústia.
Acho que não se safa ninguém.
Nem mesmo as crianças, que não mais têm  vidas descontraídas e despreocupadas, que as poupem a stresses acrescidos.
De facto, lançadas no emaranhado dos tempos, apanhadas pelo vórtice da vida insegura dos próprios pais, também elas já percebem e vivenciam a necessidade de sobreviver ... um dia de cada vez.
Também elas já percepcionam a aleatoriedade da existência diária, com escassa margem de segurança.

Os jovens, e os entalados na charneira dos trinta e muitos - quarenta e poucos anos, levam em grande maioria, uma vida atípica, maioritariamente de insatisfação, e quase sem alternativas possíveis.
A nível profissional os horizontes são sufocantes, a precariedade acentua-se, os caminhos outros, são inexistentes, a insegurança  é total.
A porta aberta ao mundo é a única saída que ainda deixa ver paisagem lá fora.  E por isso se emigra, em desespero de causa.  Porque verdadeiramente ninguém desejaria trocar a sua realidade conhecida e teoricamente segura enquanto porto de abrigo,  o seu nicho de conforto, pelo menos umbilicalmente afectivo, o seu ar e o seu chão ... pelo desconhecido, pela solidão e pela dureza da integração, onde quer que seja, ainda que seja só nos primeiros tempos, e ainda que represente melhoria significativa da realidade de vida.
O quebrar compulsivo das amarras, a violência do empurrão para a água, pode fazer do nadador, um náufrago, não esqueçamos !

A nível pessoal e familiar as indefinições persistem.  A dificuldade de equilíbrio e estabilização económica, a precariedade e insegurança do mercado de trabalho, adiam quase "sine die" a tomada de decisões de fundo, como seja por exemplo o estabelecimento de uma relação tradicional, a assumpção de filhos nessa relação, a aposta na aquisição de uma habitação para o casal, ou mesmo outras responsabilidades a longo prazo.
Porque nunca se sabe o que  esse "longo prazo" pode acarretar nas vidas das pessoas.

Ou então, as vidas das pessoas assentes diariamente em alicerces frágeis,  implantados em terrenos movediços ou "minados", não chegam sequer a resistir e a tomar consistência.
E assim, os ainda jovens oscilam entre experiências emocionalmente  falhadas, inconseguidas e desestruturantes, e desinvestimentos afectivos ( condenados que estão a sucumbir a curto prazo ). Abandonam  sonhos e projectos de vidas familiares que parecem inexequíveis, e fazem  escolhas  assumidas de vidas de solidão, com  o inerente desencanto, mágoa, frustração e estrago pessoal muitas vezes irreversível.
É isso que  confidenciam existir, é essa a linguagem que partilham entre amigos, quando se encontram e falam das suas experiências pessoais ...
Arrastam-se sem um vislumbre de futuro, eles, que teoricamente terão à  frente  ainda tanto futuro !...
E não vivem ... sobrevivem apenas !...

Os da minha faixa etária vivem "assombrados" e angustiados, num susto permanente com este mar encapelado em que são obrigados a navegar.
Criados e formados em parâmetros bem conhecidos e definidos, com regras e princípios com perenidade de segurança, com valores aprendidos e exercidos sem mutabilidade expectável, com uma previsão de futuro calma e tranquila, são agora obrigados a "mexer-se" em novos códigos, em padrões diversos, a aderir a novos "modus vivendi" que não identificam, a pactuar com novas e desconhecidas realidades ...

Não se sentem confortáveis nos novos fatos que têm que envergar, não se encaixam nos novos figurinos que os rodeiam, com regras que não entendem ... e já não têm estaleca nem saúde,  para enfrentar  a cinetose a que o sobe e desce das marés os sujeita ...
Desesperançados, cansados e com um caminho já precário e fracamente promissor a percorrer, também não vivem ... sobrevivem no cinzentismo e na brisa dos dias !...

Enquanto isto, depois de cem anos sobre a Primeira Grande Guerra e setenta e cinco sobre a  Segunda, a Europa vê de novo, meio adormecida e esquecida, parece, acender-se um rastilho ameaçador mais a leste ( não querendo entender que é num rastilho que começam os grandes incêndios ) ...

Enquanto isto, o Estado Islâmico, insano e bárbaro, assassino e inconsciente, avança em loucura fundamentalista e destruidora, numa ameaça bem clara, galopante, terrífica, imprevisível e de alcance incomensurável, sobre o ocidente ...

Enquanto isto, o ébola alastra e devasta descontroladamente, dizima impiedosamente os mais pobres dos pobres ... os países miseráveis de África ... e revela a impotência, a real incapacidade, a fraca aposta e a ainda clara  ignorância do Homem,  face aos cataclismos naturais que se abatem sobre o Mundo ...

Estranhos dias estes !...
O planeta Terra está,  de facto, a ficar um lugar pouco recomendável e esquisito para se sobreviver ... que direi para viver ?!...

Anamar

quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

" A CRISE ESTÁ A AJUDAR A JUNTAR QUATRO GERAÇÕES À MESMA MESA "


A  casa de Isabel Cabral, em Ermesinde, é um exemplo de coabitação, impulsionada pela crise, de várias gerações da família


Encerra-se aqui, a publicação dos cinco artigos, escritos pela jornalista Ana Cristina Pereira do jornal "Público", sobre "as diferentes gerações", e divulgados ao longo de cinco domingos consecutivos.

Porque os achei interessantes, pertinentes  e lúcidos, decidi partilhá-los com todos aqueles que acedam aqui, ao meu espaço.

Anamar


Por força do desemprego, da precariedade e da emigração, pode estar a abrandar o processo de desarticulação das famílias e a aumentar a coabitação de gerações.  Este é o último de cinco textos publicados ao domingo sobre as diferentes gerações.


Maria não larga o telemóvel. Anda encantada com um rapaz e a conversa com ele, parece interminável - trocam mensagens a uma cadência só deles.  "Dizemos coisas sem jeito, mas que para nós fazem sentido ", conta ela, entre risos.  Nada irrita tanto os avós como aquele toque constante.  De vez em quando a avó até lhe diz que gostaria que o telemóvel caísse e deixasse de funcionar.

Só tem 14 anos, Maria António.  Mora com os avós em Santa Eufémia, uma aldeia do concelho de Leiria.  A mãe está em Bergen, a segunda maior cidade da Noruega.  Maria esteve com ela dois anos e meio, mas quis regressar.  Quer fazer um curso técnico-profissional de gestão de quintas e eventos equestres.  E está convencida de que em Portugal as escolas são mais exigentes e os cavalos melhores.  "A minha mãe deixou-me vir.  Ela está triste, mas compreende ."

Mónica António, a mãe, não pensou que lhe custasse tanto deixá-la ao cuidado dos avós.  A 11 de Agosto, estava a colocar a mala na bagageira e já lhe rolavam as lágrimas pelo rosto.  Foi a chorar grande parte da viagem até Lisboa.  Recomeçou o choro mal ouviu, já no avião, falar norueguês.  "Estás no teu país e já não estás.  Já estás a ouvir uma língua de um sítio para o qual não queres voltar."

O avô torceu o nariz.  Tudo aquilo lhe parece um bocado disparatado.  Para ele, adolescente não tem querer ;  quem tem querer é o pai ou a mãe ou ambos, caso ambos se portem como pais, o que não é o caso do pai de Maria.  A mãe pensou muito.  Maria tinha quatro anos quando o avô a levou pela primeira vez à Feira da Golegã e lhe comprou um cavalinho de plástico.  Por volta dos seis começou a pedir para montar.  Monta desde os sete.  Quantos pais podem gabar-se de ter uma filha que, aos 14 anos, sabe o que quer ?"  "Ela está feliz em Portugal ", percebe a mãe.  "É  uma rapariga da terra.  Gosta de tomar banho na nascente, de ir à terra com o avô, de alimentar as galinhas, os perus e as ovelhas.  Se tiver equitação, passa horas a limpar as cocheiras."

Que não haja equívocos.  As famílias, sublinha o sociólogo Manuel Villaverde Cabral, não são democráticas, embora sejam menos autoritárias, menos impositivas, do que há 30 ou 40 anos.  As idades continuam a pesar, até "pelas diferenças de formação e do papel que cada grupo etário desempenha na sociedade e dentro da própria família."

As relações entre as gerações podem variar conforme a classe social, a zona de residência, o posicionamento político, a escolaridade, a orientação sexual e outros factores.  O uso do telemóvel, porém, será quase sempre um ponto de descontinuidade.  Dir-se-ia que os mais novos não se cansam de o usar.  Mandam em média 100 mensagens de telemóvel por dia - segundo um estudo feito pelo Instituto Superior Técnico e pelo Instituto de Telecomunicações no ano lectivo de 2010-2011.  Às vezes, parece que querem só testar o canal de comunicação.  "Estás aí ?"  "Onde estás ?"  "Está tudo bem ?"

Quando Mónica era adolescente, havia dois telefones lá em casa e ambos tinham um cadeado a impedir chamadas não autorizadas.  Qualquer conversa podia ser ouvida.  Agora, Maria tem telemóvel na mão e destreza nos dedos.  O avô, de 68 anos, a avó, de 62, adoram-na, mas não compreendem aquela ligação à máquina.  Os pedidos para sair são outra tormenta.  Têm medo que algo lhe aconteça.  A mãe explica-lhes " que tem de se confiar, que ajuda soltar a corda com limites."

Era outro o Portugal da juventude dos avós.  Há 50 anos, 91% dos casamentos realizavam-se sobre a égide da Igreja Católica, o marido provia o sustento e ditava as regras ;  a mulher era responsável pelo governo da casa e, tal como os filhos, devia-lhe obediência - só 18% delas trabalhavam fora.

No calendário das relações entre gerações, vale contar um antes e um depois de Maio de 1968, que começou por ser uma contestação estudantil em França e se tornou  no que Villaverde Cabral descreve como " o cume do movimento antiautoritário que varreu o mundo".  Nos países democráticos e não só, " a contestação da família patriarcal, da repressão sexual e das desigualdades de género fizeram diminuir o autoritarismo."

Depois de 25 de Abril de 1974, Portugal tratou de recuperar o atraso.  As mulheres atiraram-se de cabeça para o mercado de trabalho.  Diminuíram os casamentos, aumentaram os divórcios, diminuíram os nascimentos, aumentou a esperança média de vida.  É essa, resume Villaverde Cabral, " a modernidade da sociedade actual.".  Com tudo isso " a noção de família foi perdendo a sua personalidade masculina autoritária."  e a própria família perdeu muito do seu peso " como referência social e mesmo pessoal."

segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

" ENCERRARAM-NOS O SONHO ... "



Ontem cometeu-se um crime em Sintra.

Porque um crime pode ser tão somente um atentado ao nosso património cultural, um assalto às nossas memórias colectivas, um roubo dos nossos sonhos, um margear compulsivo do nosso imaginário.
Um crime é tudo aquilo que nos vede a criatividade, defraude a fantasia, nos cerceie a vastidão da "viagem", nos erga muros ao "passeio" da mente e do coração ... nos ampute a ilusão, de pelo menos por um par de horas, nos sentirmos crianças outra vez ...

O Museu do Brinquedo em Sintra, sem acordo possível entre o proprietário ( já que de uma colecção particular se trata )  e a autarquia, encerrou em definitivo as suas portas e janelas, pelas seis da tarde deste 31 de Agosto de 2014, numa tarde quente e ensolarada, com a vila do romantismo pejada de visitantes, portugueses e estrangeiros, adultos e crianças.
Havia alegria no ar, havia boa disposição, e aquela displicência de quem usufrui o que quer que seja, sem pressas, degustando cada instante.

Desloquei-me intencionalmente a Sintra, inclusive não estando em perfeitas condições de saúde.  Mas fi-lo numa espécie de despedida devida a um espaço, que durante dezassete anos prestou um serviço público absolutamente  ímpar, estou certa.
Isso se percebia claramente pelos rostos, e pelas expressões de apreço e de alegria incontida das muitas crianças que por lá circulavam, encantadas, agradavelmente surpreendidas, a deleitarem-se numa realidade lúdica que não é seguramente a sua  na actualidade, e com uma curiosidade  insaciável e atenta, de ouvirem as histórias e as explicações dos adultos que as acompanhavam.
Esses sim, misturavam numa indefinição de sentimentos,  algo que se percebia doído, emocionado, saudosista, fascinado ... com estupefacção, mágoa e revolta.
No ar pairava uma pergunta indignada : " Porquê ?! "  "Por que não foi possível chegar-se a um consenso e acerto entre as partes implicadas, por forma a que, como acontece em muitos países estrangeiros, se pudesse ter mantido entre nós, um lugar tão peculiar, um serviço público de tanta valia, com um acervo amplamente divulgador da cultura de um povo, das suas raízes, costumes, memórias e histórias ... Tudo o que constitui também  afinal, a nossa identidade cultural ?!
E bem assim,  possuidor  ainda, de um espólio valioso, de peças de origem internacional, com igual importância" !

Por que é que este país tem uma estranha vocação para perder, para se empobrecer, para não se dar valor, para não se cuidar ?!...

Não ouviremos mais, exclamações  encantadas  face a um pião, a um livrinho de histórias, a uma mini tábua de engomar, um servicinho de loiça, um carrinho de bombeiros, um comboio no emaranhado dos  carris, um batalhão de soldadinhos de chumbo, um "Jogo da Glória" de tantas tardes sonolentas, ou um pequeno balde de folha, companheiro de areais perdidos : " oh ... eu brinquei com um exactamente igual !... "  "olha ... eu tive um destes !..."
E o puto a indagar insistente, sobre o paradeiro da dita peça ... e o pai a responder : " deve estar lá para casa da avó !..."

Não ouviremos mais as explicações detalhadas e cuidadosamente possíveis, dos adultos, perante os rostos sedentos da criançada, sobre o que eram as trincheiras da 1ª Grande Guerra, ou sobre os hospitais de campanha, ou o desfile das tropas alemãs pelas ruas de Berlim, com a suástica estampada nos carros de guerra, e a saudação nazi exibida por cada soldado ...  para se ouvir logo a seguir, um puto esperto e informado, argumentar : " olha, olha mãe ... o Hitler !  Vai lá à frente, naquele jipe !..."
... ou o adiar para melhores horas,  do esclarecimento complicado sobre a "múmia" que repousava na vitrina !!!...

Enfim, uma ternura sem tamanho, tudo isto !...

Dei por mim a sorrir.
Dei por mim a recuar no tempo, e a passear-me pelas lembranças doces e distantes da minha meninice.
Do tempo em que a Lolinha, a minha primeira boneca de porcelana, de caracóis  loiros  e olhos azuis, que chorava quando embalada, e que "vive" comigo até hoje ... me entrou pela vida adentro, pela mão do meu pai !...

Outros tempos, outros sonhos, outra vida ...   Outra que eu era !...

Ontem cometeu-se um crime em Sintra.
O Museu do Brinquedo encerrou definitiva e injustamente, numa tarde quente, luminosa, aparentemente indiferente ...  E com ele, encerraram-nos também o sonho !...

Mas a curiosidade das nossas crianças, as recordações dos nossos velhos, e obviamente a memória saudosa de todos nós, não o mereciam !!!...



Anamar

sábado, 30 de Agosto de 2014

" COM AGOSTO NOS VAMOS ... "



Comecei a viajar para fora do país, já a caminho dos 47 anos.  Era assim na altura, creio.
Pelo menos, para as pessoas da minha classe sócio-económica, uma classe média sem outros proventos significativos que não adviessem do seu trabalho.
As viagens para o estrangeiro não estavam por isso vulgarizadas, quase banalizadas como acontece hoje em dia.

Até lá, também à semelhança das pessoas que eu conhecia, fazia-se normalmente,  sobretudo  enquanto as crianças eram pequenas,  o périplo de Algarve ou Costa Alentejana, onde as praias na altura tradicionalmente quentes e mansas, nos esperavam, esperavam famílias inteiras, de chapéu de sol, lancheira com o aviamento, toalhas e brinquedos da pequenada.
Diariamente faziam-se as sandwiches, coziam-se os ovos, lavava-se e cortava-se a fruta para os tupperweres, tiravam-se as bebidas frescas do frigorífico, os iogurtes ... repetidamente dia após dia, na semana ou vá lá, nos quinze dias em que por lá se estava. O mês inteiro, era de facto, para os "sortudos" !
Normalmente, casas alugadas juntavam por vezes mais do que um casal.
Amigos juntavam os orçamentos, as vontades e a amizade, e tornavam assim, as férias menos perdulárias e muito mais agradáveis e felizes.
Juntavam-se as crianças que  se divertiam muito mais, juntavam-se as longas e serenas conversas sem pressa, pelas tardes, à sombra dos chapéus de sol  que para isso também juntavam estrategicamente as suas sombras ... juntavam-se  as  cumplicidades femininas, em horas palmilhadas no areal, na babugem da rebentação ... juntavam-se as gargalhadas, os jogos, os passeios e as fotografias, para mais tarde recordar ...

As minhas férias de Algarve começaram em casas alugadas, com refeições que aí se confeccionavam.  Eu costumava dizer que mudava de tachos e de panelas, mudava o cenário ... e a peça era a mesma.
Mas enfim, os ares sempre eram diferentes, o passeiozinho pela fresca das noites algarvias era algo fora da rotina do ano todo, o D. Rodrigo que se comia, o café que se tomava pós-jantar, o sentar numa esplanada a ver os veraneantes circularem, já dava p'ra quebrar o "cardápio" que conhecíamos sobejamente.
Comecei no sotavento algarvio, e fui avançando em anos sucessivos, rumo ao barlavento.
Comecei em Vila Real ( ainda só tinha uma filha bebé ) e terminei muitos anos depois, em Lagos. Deambulara então por Albufeira, Oura,  Vila Moura, Portimão e Lagos.   Seguiram-se depois uns anos de Porto Covo, em férias de que guardo gratas e saudosas memórias.
Ilha do Pessegueiro ao fundo, o "Quadrado", a fortaleza, a Praia dos Búzios, a Praia do Samouqueiro, a dos Pescadores ... tudo muito selvagem, tudo muito natural ainda, nada "estragado" por imposições de turismo "civilizado" ... tudo simples, genuíno ... Alentejo a molhar o pezinho no Atlântico !...

Três famílias amigas, a que se juntavam por vezes ainda mais uns "apêndices", ou conhecidos  de circunstância, muita criançada, amigos do peito mesmo ... quase família única, quase irmãos ...
A vida viria a desmembrá-las.  Uns partiram cedo de mais, e sem aviso, outros separaram-se na vida, e finalmente a vida separou todos !
As crianças tornaram-se por sua vez, mães de crianças, e também, injustamente, vá-se lá saber porquê, se perderam no destino ...

É certo que posso considerar-me uma privilegiada, porque já na infância, contra o que de facto  não era muito comum naquela altura, eu fazia praia em Albufeira, durante um mês, ou  em Vila Nova de Mil Fontes,  ainda sem luz eléctrica ( ! ), ou mesmo  em  Sesimbra ou Sines.  Férias com a minha mãe só, ou com familiares chegados, que tinham a pachorra e a generosidade de me levar.
E depois, durante alguns anos largos, beneficiei de uma esticadinha até ao Minho, para termas que os meus pais faziam por razões de saúde.
Lembro que não eram propriamente emocionantes esses dias, dada a tipicidade da frequência desse local.
Mas ao tempo, os putos não davam palpites nestas coisas !

O tempo passou, e como disse, comecei a fazer férias no exterior, beirando os cinquenta anos.
Timidamente, começaram por passeios de carro, por alguns, poucos dias ... Picos da Europa,  Sevilha, Madrid, Toledo, León ... coisa pouca !
Arriscámos mais tarde a República Dominicana ( um dos destinos paradisíacos muito em voga na altura ), que nos acenava com  o sonho das praias adornadas de coqueiros, águas mornas,  turquesa e transparentes, corais e peixes multicoloridos,  no calor prometido dos trópicos ...  Depois Cuba, Brasil, Países Nórdicos, países da Europa Central ...

Posteriormente, já noutra realidade familiar, permiti-me destinos mais longínquos : Jamaica, Maldivas, Tailândia,  Sta. Lucia...ou ainda  Costa Rica,  Bali,  Maurícias, Samaná,  Zanzibar, e mais recentemente o sonho antigo de S.Tomé e Príncipe.

Enfim, as viagens começaram a vulgarizar-se à medida que o poder económico dos cidadãos disparou.
Não esqueçamos o período mais "endinheirado" do país, face  aos  proventos  "fáceis" da Comunidade Europeia. Foi uma época de ouro,  e de muita inconsciência também, em que o português começou a "sair" com facilidade, e frequência.
Viajar para o estrangeiro passou a ser uma espécie de direito adquirido, por cada Agosto, e havia mesmo quem se endividasse,  em financiamento para a almejada viagem de férias ...

Chegámos aos dias de hoje.
A economia do país, mercê da crise que vivemos há demasiado tempo, fechou os cordões à bolsa de quase todos.  Penalizou  o desejo de muitos, sobretudo dos que têm na alma o espírito inquieto de viajantes, os que são saltimbancos de sonhos, os que têm uma alma vadia e curiosa ...

E neste fim de Agosto, neste encerramento da quadra  estival, quase afirmaria sem erro, que a velha lancheira e o chapéu de sol, se reabilitaram à luz do dia,  e a  este sol  pouco convicto ... que parece, também ele, regatear  a  sua  presença  nesta  nesguinha de areia à beira-mar plantada ...
Quiçá  talvez  face ao  valor do "cachet"  modesto, por aqui  oferecido ! ... Afinal, estamos em Portugal !!!...



Anamar

quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

" QUE BONS SOMOS A INVENTAR ! "



Na vida não se reedita nada !

Só os livros se multiplicam, criando edições sucessivas de acordo com a satisfação dos leitores.
O ser humano vive, vira a página e anda para a frente. Esgotou !
Gostou ?  Queria alongar ?  Temos pena, não é possível !
Nem comprando novo bilhete como no cinema, poderíamos visualizar o mesmo filme !
Não gostou ?  Não se amofine, pois também já passou !  Aquela sessão terminou, e não há reprise, felizmente !

Então,  inventámos aquela coisa a que chamamos de "saudade", que é algo perturbador, como o é a comida requentada.
Faz mal.  Passou do prazo.  Ficou estragada.
É algo que acabou, e não deixamos que acabe. Que não existe, mas não desgruda.
A saudade é exactamente assim.  Mata o coração, inunda os olhos, aperta o peito, provoca cataclismos na alma.

E depois, se não bastasse, a saudade é ilusoriamente adocicada, bem safada e mazinha ...
Parece aquecer-nos por dentro, parece adoçar-nos o desencanto, parece embalar-nos a existência.
E enquanto a sentimos, volta-nos tudo aquilo que a despertou, e parece que o reeditamos ... Mas não !.
Tudo não passa de uma masturbação das emoções, com um clímax nunca alcançado.  Porque não passa disso mesmo ... de uma satisfação insatisfeita, quase quase real, mas que sempre nos defrauda, sempre nos deixa outra vez de mãos dolorosamente mais vazias, e o coração mais dorido ainda.
Não passa de um truque, um analgésico para doença crónica !...

E inventámos também uma coisa chamada "sonho" , que consiste em projectar na luz do dia, o que só é possível viver ( quando desligados do real ),  vogamos pelo mundo onírico .
Porque o sonho e a realidade não casam de nenhuma forma !  E por isso os sonhos  reais, aqueles que arquitectamos com os cinco sentidos bem despertos, são tão mentirosos como os outros !
Nós é que pensamos que não.  E vamos acalentando ao longo da vida, o tão maquiavélico quanto patético projecto de realizá-los.

E por isso nos degladiamos, para isso consumimos  todas as energias que conseguimos arregimentar dentro de nós ;  reunimos todas as forças e convicções possíveis, e usamos um argumento forte, para nós mesmos :
aquilo a que se chama "esperança",  de que nunca abrimos mão,  e que  garantimos ser a última que morre, ou seja, que sempre irá  além da vida !
Sem ela na linha do horizonte, torna-se difícil progredir.  Ela funciona como catalizador ... assim  como  uma espécie  de  braseiro  de  sol,  de  dia,  e  de  farol  nas  escarpas,  pelas  noites ...

Ela empurra-nos, quando queremos amodorrar, hibernar, desistir ... puft ... sumir no espaço !
Ela é o complexo vitamínico que acode a situações de déficit orgânico ...
É o balão de oxigénio que impede a asfixia eminente ...
É a transfusão  abençoada, que evita o progresso da astenia anunciada ...
Mas actua pontualmente.   Não se tomam vitaminas todo o ano !!!...

E assim, entre a saudade, o sonho e a esperança, o ser humano vai acreditando na reedição possível  de excertos da sua vida, exactamente aqueles que quereria preservar, re-experienciar .
Extirpando do coração mágoas destruidoras, vai pintando quadros de renovação alcançável, vai tropeçando e esgrimindo com as dificuldades, as tormentas e os vendavais ...

E não se rende, porque apesar de tudo, o Homem é sempre um ser de fé, mesmo que ela não tenha rótulo, e o seja apenas na sua essência de herói e resistente, enquanto Homem que é !!!...


Anamar

terça-feira, 26 de Agosto de 2014

" A CORDA DOS SONHOS "



Sempre suspensa, este estupor desta vida !
Suspensa entre o que foi e já não é, entre o que podia ser e também não, e entre o hoje e o que se sonha por noite, embiocados na almofada adormecida ...

Suspensa  pois ... num raio de uma estrada sem sinaléctica de orientação, sem sol ou estrelas lá por cima que dessem uma mãozinha, logo a mim, que nem tenho GPS !
É uma maldade mesmo, de quem goza com esta insatisfação de maçã que cai do galho antes do tempo, misturada com a esperança de florir no pé ...
Hoje, p'ra semana, no Outono, tempo de colheitas ... ou quem sabe na próxima Primavera, com as primeiras águas de Março ?!...

Sempre fico na esquina, de tocaia, tocando o silêncio mais absoluto de que sou capaz, como puto reguila que não quer denunciar a maldade ... à espera que ela, a vida, se solte da corda, abrindo as molas, em dia de vento ... E deixe de estar suspensa a baloiçar !
Mais hoje, mais amanhã ... talvez sábado que é bom dia... ou domingo, em que a alma se veste de festa !...

Mas não !
Converso com os raios de sol que passam pelas frinchas, escuto os silêncios das paredes errantes, avalio os segredos dos rostos espalhados aqui e ali ... e busco no tempo, a ponta da linha p'ra tricotar um futuro parecido a presente ...
Presente,  presente  de laço e de fita ... Não este presente, o outro, porque este me atormenta por falta de originalidade e incómodo !...

Quero um presente da vida !
Bolas, p'ra chatice já basta ela estar suspensa !
P'ra maçada já chega ela não se colorir ... e devia !  Porque nós nunca sabemos se aquele dia é o "tal" dia ... o que sempre esperamos no virar das esquinas.  E por isso devemos estar sempre no nosso melhor ...

Mas eu estou cansada desta espera de paragem de trem.  Desta estação de azulejos azuis, onde o meu passado amodorrou, como as searas de trigo maduro que se embalam  na brisa da tarde, na canícula de Verões alentejanos ...
Tão longe ficaram  eles, os Verões daquela terra !
Depois, tive que me habituar a ser deserdada de destinos, a ser apátrida, em searas de betão com cogumelos a roubar-me o sol ... que passou a entrar só por frinchas na minha vida !

E sobem  marés a acariciar praias desertas, e vem o vento que decidiu desmanchar-me os cabelos .
E passa gente, e voam gaivotas, e escuto vozes, e oiço risos e gargalhadas em compassos certos.
E sorrio, e falo, e digo ... e arranjo pretextos para esperar  acordada ainda, a próxima alvorada, como se ela, na fresca da madrugada, no orvalhar das ervas, no acordar da neblina, me trouxesse então, o presente pedido naquela carta de letra rabiscada, esquecida  à lareira na bota de Natal !...
Talvez ... quem sabe ?!...

O tal presente de laço e de fita !...

E quando a manhã clareia, percebo que afinal deslizei toda a noite num baile de máscaras, de braços de sonho p'ra braços de sonho, percebo que estou entontecida pelos volteios ciclópicos das melodias, sinto  a cabeça ensandecida e exausta pelo torpor dos ritmos com que me atordoei, em mentiras quase verdades, só porque no meu sono eu acreditei que seria assim !..

E abrindo os olhos, no soltar do bocejo da noite finda, vejo-me esgotada, bêbeda de exaustão, ébria de desalento, defraudada do crer, olhando o estupor da vida, que com um esgar  indiferente e insensível, escarnece e diverte-se, no balancé  de corda de roupa !!!
Igualzinha ... desafiadoramente igual !!!...

Anamar