sábado, 13 de dezembro de 2014

" O NEXO DA FALTA DE NEXO ... "



O dia amanheceu mergulhado em "nieblas".
Uma cerração desgraçada, adivinhava que o sol não se levantaria.  Temperatura a baixar abissalmente, um frio de Natal a instalar-se.
Na rua, as pessoas circulam apressadas. Golas levantadas, narizes vermelhos, ofegantes, passo estugado na tentativa de enganarem o ar gélido.  Das bocas, aquele fuminho denunciador de uma humidade brava, espalha-se, como  se de uma chaminé se tratasse.

Foi o primeiro dia, deste Outono beirando o Inverno, que efectivamente puxou dos "galões" e mostrou claramente que o tempo atmosférico até agora, tem andado a brincar a uma coisa que não é nem deixa de ser.  Hoje sim, temos um daqueles genuínos dias coerentes com o calendário.
Os faróis dos carros, neste lusco-fusco de noite às cinco da tarde, projectam um  cone de luz tremeluzente, no asfalto molhado.

E choveu toda a noite.
Os pingos das gotas de chuva nas vidraças da janela, o pingue-pingue metálico na calha do estore da vizinha de baixo, foi-me lembrando ao longo das horas de silêncio, que estaria  desagradável lá fora.
O gato preto ... onde andará ?
Continuo a entrevê-lo através dos estendais, prédio abaixo. Estendais agora vazios de roupa, em tempo de borrasca. Sobrevive no terraço, em completa solidão.
Onde se acoitará da água ?  Sim, porque do frio, não há lugar razoavelmente protector.

Os pingos ...
"Estás constipada ?" - perguntaram-me ao telefone.
"Não ! Estou apenas a pingar !" - respondi, justificando o fungar perceptível.
A gente pinga, de quando em quando.  Pingam os olhos, pinga o nariz, ao sabor do pingar do coração. Porque é aí que tudo começa !
Será que se pode ter saudades do futuro ?  Ou melhor, de um futuro que ainda o não foi, e apenas se idealizou ?
Será que se pode ter saudades de alguma coisa que não se viveu, só se adivinhou no coração ?
Porque saudades do passado, é fácil.  E lógico.  As saudades são os restos que ainda não partiram.

Sou capaz de olhar um galho adormecido, e cheirar o verde húmido da mata, quando foi apanhado...
Sou capaz de olhar um calhau rolado  das areias distantes, e inebriar a alma com a  maresia que dele se desprende ...
Sou capaz de ouvir os chocalhos do rebanho no pastoreio, e as badaladas da torre sineira ... ritmadas, cadenciadas, ecoando no silêncio, como então ...
Escuto com precisão o grasnido da gaivota planante, antes de repousar no alto daquele poste lá ...
E  escuto  também  as  exactas  palavras  ditas, os  risos  largados, os sorrisos  subentendidos ...
E oiço o Natal, e o ano vizinho ... e cheiro a intimidade da sala, e o calor da cama cúmplice...

Tudo ontem ...

E amanhã ?
Amanhã, é uma manhã como a de hoje, mergulhada em "nieblas".  É um vendaval  de chuva cerrada, que não deixa ver através das vidraças embaciadas.  É uma espécie de vereda que caminha  na ravina  e  termina lá ao fundo, subitamente ...  num penhasco  em garganta rasgada sobre o mar ...
Amanhã ... é uma manhã cinzenta de um Outono beirando o Inverno.
Amanhã é uma interrogação sem resposta.  É um futuro de  fé sem esperança ...
Amanhã é a ausência de nexo, numa história que desconhece o seu significado !...

Anamar

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

" A DÚVIDA METÓDICA "




Não escrevo faz tempo.
É assim a minha vida.  Altos, baixos, períodos de valer a pena, períodos de indiferença e distanciamento em relação a tudo.  Amorfismo face à realidade, encolher de ombros, fazer-me morta ... deixar correr.
Se calhar é assim a vida de toda a gente.  Afinal, não há carapaças de tartaruga para todos, apesar que me daria imenso jeito !

Ontem, um programa televisivo equacionando um tema assaz interessante : " Haverá ainda futuro para Deus ? "
Um espaço de reflexão, de opinião, de questionação.  Um espaço de interrogação.  Muitas perguntas, nenhuma conclusão.  Obviamente !

A existência de um deus nas nossas vidas, a busca de um significado para elas, numa sociedade ferida de tal desencanto e tão desprovida de soluções, que empurra mais e mais o ser humano para um afastamento do divino.
A ciência explica muitas dúvidas existenciais, daquelas com que nos confrontamos diariamente. Explica muitas, mas não todas.  Longe disso !

O Homem, na precariedade da sua existência, na insatisfação dos mundos em que mergulha, na orfandade das suas dúvidas, sem enxergar respostas, entregue aos seus medos, às suas angústias, face à  sua  pequenez e fragilidade, face a tanto desencanto e tantas perplexidades ... precisa na maior parte das vezes, de uma âncora, de um porto, de uma lógica, de um caminho.
E cria uma figura "paterna" maior, última, definitiva, em que dogmaticamente acredita, se recosta, se aninha.
Esse "mito", essa protecção que desconhece, mas sob a qual nada lhe acontecerá, esse arrego doce, esse colo embalador que não julga, sempre compreende e perdoa, restitui-lhe a tranquilidade que o aquieta, dá-lhe o norte e a significância para o caminho doído, ergue-o quando cai, dá-lhe forças na doença, ânimo no desespero  ... luz na escuridão ... repouso ... esperança numa salvação promissora, transcendental.
Essa figura que não se vê, não se palpa, contra a qual consequentemente o Homem não se pode rebelar, surge na sua vida como solução, saída, resposta final.
E o Homem que criou na sua mente essa figura parental,  vive assim mais em paz, mais confiante, mais submisso, mais humilde.
Não O questiona, ou raramente O questiona ( Se o fizer, sentir-se-á um ímpio, um ser desprezível e ingrato ), e aceita em conformismo,  o destino, a "cruz", a penitência.
Como peregrino em devoção e agradecimento, tenham as provações a dimensão que tiverem ...  ruma à salvação !

Assim vivem os crentes, e assim encontram uma razão para a sua existência.

E os não crentes ?  Aqueles que nunca, ou "ainda não" foram tocados por essa luz, ou não experienciaram esse "milagre" ?
Nesses, incluo-me eu.
De facto, agnóstica que sou, depois de um início de vida tradicional e deterministicamente religioso, encontro-me na encruzilhada da dúvida.
Com uma formação académica científica, com uma irreverência, e uma espécie de contrapoder atrevido, dentro de mim face à vida, sinto-me uma sedenta e estupefacta caminheira, com um pragmatismo desencantado, na beira da estrada, olhando, perscrutando, analisando, descodificando, interrogando e desgraçadamente não encontrando "outras" justificações ou respostas, para nada daquilo que segundo a segundo, vai desfilando neste carril aleatório e sem nexo.
Não encontrando  "outro" sentido ou significado, "outro" fio condutor lógico na percepção dos acontecimentos, não encontrando "outras" leituras credíveis, na aleatoriedade acidental ... olho cansativamente o papel em branco, no qual tenho que desenhar, momento a momento, a "estória" que com alguma liberdade arbitral vou vivendo.
Dramaticamente.  Angustiadamente.  Cepticamente.

Questiono-me sempre, se viver assim, não  é só por si, uma  "tragédia" ?!
Se encarar o transcurso  do tempo, sem bengala, sem "antidepressivos" de alma, sem  "analgésicos" de coração, sem muletas emocionais ... apenas entregue à minha esperança e desesperança em todos os seres - que não passa por desígnios de salvação de alma -  entregue exclusivamente à minha fé particular e inabalável no ser humano, nas suas potencialidades e nas suas espantosas capacidades regenerativas, no seu poder de encontro e de renascimento constantes ...  questiono-me sempre, dizia, se estas minhas escolhas,  estas minhas convicções de caminho, não serão assumidos exercícios suicidas, de teimosia temerária, de inconsciência não acautelada, em que a minha vulnerabilidade, a minha pequenez, e a minha insignificância de peão de tabuleiro, são largadas em permanência,  no xadrês da vida ?!...
Lá ... onde dizem que Deus não joga !...

Mas eu sou inevitavelmente assim, e não consigo ( o que simplistamente talvez me adoçasse e pacificasse o percurso), ver a existência humana, de forma diferente !
Esta dialéctica é a minha verdade.   Esta estrada acidentada e pedregosa, o meu caminho.  Esta autenticidade muitas vezes titubeante, desoladora e sem colorido, a assumpção daquilo em que acredito ...
Porque eu "desconfio" muito seriamente, que depois de nada ... nada existe mesmo !!!


Anamar

domingo, 30 de novembro de 2014

" LAÇOS INVISÍVEIS "



O "farrusco do fiambre" perambula pelo terraço lá em baixo.  Afinal, ele é um residente !... Um residente e um resistente !
Verão após Verão, Inverno após Inverno, acumulando anos de vida, numa vida que não sei quantos anos já conta ... ele lá continua inabalável ... com as quatro patas firmes no lajeado, chova, faça sol, tempestade ou bom tempo.
Habitante único daquele terraço, não tenho a noção de como sobrevive.
Há tempos largos que o não espreitava. Cabeça demasiado preenchida, coisas a mais para a estrutura mental de que disponho, não me têm levado a espraiar as vistas  pela janela, preguiçosamente a olhar o tudo e o nada, por sobre os telhados a perder de vista, rumo a um horizonte verde, bem lá longe !

Hoje deitei o nariz de fora.  O ar estava liquefeito. O fim de tarde mostrava um céu diluído, um sol laranja, iluminado, distante ... farrapos de nuvens, como novelos de lã branca, espalhados lá por cima.
Nada grave !
E ele lá estava.  Entrevi-o entre o emaranhado de estendais, e de roupa colocada pressurosamente a secar, não vá chover amanhã ...
Era um recorte esfíngico, uma figura sonolenta, um "bibelot" de porcelana ... visto do alto do meu sétimo andar.

Quem também tenho pressentido por aqui, em passagens fugidias, em voos sonolentos e rasantes, é a "minha gaivota", que se anuncia com aqueles grasnidos que tão bem conhecemos, quando o mar encapelado apenas lhe permite que o sobrevoe ... em dias de tempestade anunciada.
Há tempos que não "conversamos".  Há tempos que não trocamos aquela promiscuidade  de "mulher para mulher" !...
Sempre costumava espreitar-me,  altaneira, do alto do terraço contíguo à minha tribuna, mirando-me de lado, olhos perscrutantes, argutos e  miudinhos ... Assim como quem me mede os humores ... Depois, deixou de vir.  A lixeira, super-mercado de Inverno, fica lá para trás da minha disponibilidade visual.
E também, ela frequenta-a no Inverno apenas, quando recua da orla costeira, porque o tempo madrasto,  lhe escasseia o peixe fresco na dieta.
Hoje, veio por aqui.

Coisa estranha esta, de me sentir órfã se os não vejo ... de me sentir acompanhada, se os vejo !
Coisa estranha esta, quando o ser humano se sente acompanhado por um gato e uma gaivota que só toca com o olhar, e que só acompanha com o pensamento !...

Às vezes, largo uma frase no espaço que nos separa ... convicta que a digo para quem a não escutará. Mas não importa, é assim uma espécie de código de coração, uma espécie de partilha de sentimentos, um diálogo surdo, mas generoso.
Uma cumplicidade de solidões ...
Eles não me conhecem, mas eu conheço-os e são por isso, um pouco "meus" ...
Porque como diz Saint-Exupéry, sempre "somos responsáveis por tudo o que cativamos".
E, cada um a seu modo, cada um à sua maneira, tornaram-se parte da minha vida, passaram a integrá-la.
Se mais não for, por  em dias como  hoje, em que me abeiro da vidraça em busca de vida lá fora,  a sua presença por perto, ser um afago na alma, que consegue trazer-me ao rosto um sorriso rasgado ...

Mesmo que o fim de tarde me não ofereça um sol laranja, iluminado ...

Anamar

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

" OLHANDO P'RA DENTRO DE MIM ..."



E o céu lá longe,  fechou com uma estranha sobreposição de nuvens, como frente de rebentação  no areal deserto.   Por detrás daquela abstracta imensidão, um fogacho laranja iluminava ainda o firmamento  no estertor final do dia !

Era mais um dia de Novembro, deste Novembro pardo, que sempre se veste de  ocres queimados, de vermelhos envelhecidos, ou de verdes  recolhidos,  em tons de musgos beirando o Natal.
As montanhas no firmamento pariam água, água e mais água, neste nosso desconforto de desesperança !
Frio ... já algum frio, que me parece mais interior, ainda assim .
A menos que a solidão seja gelada ... Acho que a solidão é gelada, sim !...

Não há sobre o que escrever, a não ser que eu devasse  janelas que se iluminam, penetre nos espaços de aconchego, me deixe embrulhar em sonhos que sempre voejam por aqui, que não são meus,  mas são levados nas asas estendidas das gaivotas que recuaram.
Desistiram de mar, desistiram de escarpas empoleiradas, desistiram de inventar praias de maré baixa ... e o seu grasnido ecoa em agudos estrepitantes, pelos céus.
Lá de cima, já se deve ver o Natal, a progredir em  passadas largas.  Os azevinhos engalanados enrubescem,  e pingam as bagas encorpadas, ao longo dos caules espinhosos.

Daqui "vejo"  a mata. Vejo a serra penumbrenta, a cheirar a terra molhada, parideira de frutos e tímidas flores de Inverno.  Cheira a carqueja, cheira a lareiras distantes, e cheira à humidade que amarinha pelas pedras e pelos troncos ...  As clareiras escureceram, neste dia apagado há tempo já ...
Os castanheiros bravos deixaram de cuidar dos seus ouriços  entreabertos, que espreguiçaram  as castanhas, a esmo,  pela terra fria ...

Daqui "vejo" o mar. Vejo as falésias e as gargantas profundas das arribas, a contorcerem-se, no açoite impiedoso da rebentação ...
Vejo  o  verde  das  rochas,  tapadas  e  destapadas  pelo  impudor  das  marés.
E vejo o véu deixado na areia molhada, pelo noivado permanente das águas, que sempre chegam e sempre partem ...
Como tudo na vida ...

E chega-me o cheiro.  O cheiro doce e salgado das maresias ancestrais.  O cheiro do pilriteiro maduro, das urzes e das estevas do bosque,  Dos cedros, dos abetos, do gilbardeiro e das roseiras bravas.  E todos os cheiros que eu quiser, porque sou livre de os inventar ...

E chegam-me todas as emoções adormecidas no meu eu.  Reúno os escombros dos sonhos sonhados, e fecho os olhos, numa dolência de recolhimento, de entorpecimento da alma ...  de  cansaço indiferente,  que  já  não  se  subleva,  porque  não  tem  força  para  se  erguer ...

Chega-me  tudo ... tudo  o  que  estranhamente  duvido  ter  sido ... porque  parece  que  nunca  foi .
Chega-me a palidez de sépias antigas, o sombrio de memórias que tiveram cor, e luz, e cheiros e risos ... e murcharam no pé , como um botão de camélia que não teve força para abrir ...
E sinto-me a fenecer, como o sol precário desta tarde, a desistir ...


Anamar

sábado, 15 de novembro de 2014

" TOCANDO EM FRENTE "



A vida encarrega-se ...

De repente, como uma onda alterosa, ela ergue-se e arruma o assunto, que é como quem diz, decide inapelavelmente o que entende ...
Sem que tenhamos capacidade de resposta ou de insurgimento.
Assim, numa curva da estrada, no virar de uma esquina, da noite para o dia, de supetão, surpreende-nos como o salto da serpente emboscada, sem previsão ou acautelamento possível, em ratoeira perfeita.
E transforma-se naquela vaga do tsunami, que todos já vimos em imagens conclusivas.  Mostra-se, vem e varre sem piedade, tudo o que tem pela frente.  Indiferente ao "tudo", mesmo ...

Deve ser isso que consubstancia a afirmação corrente : " O  Homem põe e Deus dispõe" ... e que fará todo o sentido para a maioria das pessoas.
São marés, dizem uns.  Há fases assim, dizem outros ... em que tudo parece desfazer-se em espuma, em que o céu se abate, o chão foge, e em que como areia, tudo nos escapa, de brincadeirinha, por entre os dedos.

E pronto!  Os caminhos ficam todos fechados.  Não adianta !
Resta-nos aquele sentido de preservação e de sobrevivência que nos toma, quando a catástrofe desaba bem por cima das nossas cabeças.
Encolhemo-nos, enrodilhamo-nos qual feto na protecção uterina, imobilizamo-nos ... ficamos quietinhos e esperamos.
Esperamos que talvez a muralha de adversidade que se ergueu à nossa frente, passe ( tem que passar, porque a resistência humana tem limite ), que  talvez o céu brutalmente negro, consiga parir de novo um sol luminoso, que a amenidade subsista à chuva torrencial, e que na terra apareçam novos caminhos na ressaca da destruição.

O Homem encerra em si o princípio da regeneração.  É instinto, é característica de espécie, enquanto ser vivo que é.
"Deus dá a roupa consoante o frio", diz a sabedoria do povo, que não erra.
Como tal, depreende-se que sempre estaremos artilhados com o necessário, nem mais nem menos, para enfrentar os carregos da nossa existência ... ainda que ela se encarregue por nós ... ainda que ela chegue, e dê o golpe de misericórdia !

A vida é dos fortes.  A vida é de quem ousa.  A vida é de quem a enfrenta, dos audazes e lutadores ... E  mais meia dúzia de chavões a propósito, poderiam ser ditos, pressupondo que ... " dos fracos não reza a História".
Deve ser verdade.  Acredito que o seja !

Então e esses ?  Os menos resistentes, ou os menos "equipados", ou os mais cépticos, ou os menos pragmáticos ... ou os menos capazes ?  O que se lhes faz ?

Bom, talvez pela seriação natural imperativa, não tenham mesmo futuro.
Talvez sejam destinados a sucumbir, no apuramento da espécie.
Talvez  a  vida  os  expurgue,  num  processo  selectivo,  natural,  implacável  e  óbvio ... Talvez !...

E a vida redesenha-se, queiramos ou não.  Sempre se redesenha !
E muitos sonhos adiados, sucumbem simplesmente num segundo.  E somos então lançados num vórtice que primeiro nos baralha, depois nos atordoa, e finalmente nos resigna, por impotência !

É frase feita e gasta, mas de facto, cada vez mais, "carpe diem" é a única coisa certa que nos resta, a única que podemos e devemos fazer, por inevitabilidade ...
Tudo o mais é utopia pura !...

E por isso, provavelmente cumprir a Vida ou ser inteligente perante ela, seja simplesmente ... "compreender a marcha e ir tocando em frente"... até porque ... "num dia a gente chega, e noutro vai embora ",  afinal ...

Anamar

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

" UMA MÃO CHEIA DE NADA ..."





Os dias são o que deles fazemos ...
Os dias são o que neles vivemos ... Vivemos ou "vivêmos" ... p'ra se perceber melhor ...

Já gostei muito dos sábados !!!  Eram o meu dia sonhado e inventado, nos sete que desfilam na semana.
Era o dia esperado, criado e recriado nas asas da imaginação.  Mesmo que fossem sábados como hoje ... ou melhor, sobretudo se fossem sábados como hoje, de cara feia, cenho carregado, de escuridão, vento e chuva, distribuídos por quem gere estas coisas ...

Eram sábados com história ... muitas histórias ! Eram sábados de sala iluminada, de vamos ali e voltamos ... golas levantadas já, sábados de correr à chuva em chapéu dividido, com as gotas trazidas nas rajadas do vento  a molharem a meia de licra ( comprometendo a exigência da toilette ), empoleirada nos saltos altos em harmonia.
Eram sábados com vozes, conversas, risos e gargalhadas. Sábados aquecidos no tinto de  copo  de  pé alto,  adoçados  na  cremosidade  do  chocolate,  brindados  no  cálice  de  Limoncello ...
Olhares  cúmplices  e  segredos  trocados.  Eram  sábados  com  alma.  Eram  sábados  com  vida !
E um calor que trepava, amarinhava, e envolvia ... Capaz de  trazer à vida, alguém que partiu ...

Não era esta coisa de silêncio a esfumar-se entre as quatro paredes ... sempre  só as quatro paredes .
Não era este abandono gélido que me perfura até às entranhas.  Este som que não ecoa, estas palavras que não são ditas ... porque não há quem diga palavras, por aqui ...
Não era este frio que atravessa as vidraças, pela ausência de sonho, e me tolhe, me limita, me amarfanha ...
Não era esta ausência de tudo, mas sobretudo da esperança.
Não era o saber-me viva, apenas porque respiro ... ainda !
Não era o mitigar-me com os farrapos das nuvens, olhando o céu que se redesenha a cada golpe de vento.  Como se  a  faxina do firmamento  pudesse soprar-me  para longe,  este peso de nuvem negra sem arco-íris !...

E anoiteceu.  Anoiteceu abruptamente ... insensivelmente ...

E tanto sábado que eu  tinha então, ainda p'la  frente ... e tão pouco sábado que tenho hoje, entre os dedos ...

Ainda "cheiro" os sábados, porque cada hora era uma hora de ser. Cada hora tinha uma batida diferente do coração, e um sorriso específico nos lábios.
Havia os de sol, que eram dourados, só dourados, e havia os de chuva e escuridão que eram doces, apenas doces ...
E eu, era aquela ... de então.  Não esta de hoje, sem identidade definida, vazia, amorfa, indiferente.
Sonâmbula na vida, distante, esquecida ... cansada !

Oiço o grasnido da minha gaivota já perdido no cinzento fechado, aqui por cima.  As asas estendidas e o peito à aragem, levam-na por círculos longínquos, adormentados,  para bem longe da minha janela.
O horizonte limita-me a vista e tolhe-me o pensamento ...

Por que raio ainda existem sábados, nas semanas ?!...

Anamar

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

" POR UM PRATO DE LENTILHAS "



Tudo ficou cinzento, circunspecto, fechado ...
Fechado o tempo lá fora, e fechadas as vidas das pessoas.

Li há dias, sei lá onde, que a crise sem fim que atravessamos, quase já perdemos o norte desde quando, teve o mérito de desenvolver criatividades, alternativas, desafiar coragens, espicaçar sonhos, despoletar o arrojo, varrer a preguiça e a acomodação ... e quiçá, desenvolver o que de melhor o ser humano guardava, até insuspeitamente, dentro de si.
A crise empurrou as pessoas, lançou-as no vórtice da incerteza, e como tal, fê-las abrir pára-quedas, esticar as asas, percebendo que teriam que voar.  Coisa que até desconheciam ser capazes de fazer, em alguns casos !!!

Tudo certo. Até aqui, acredito que sim.
Diz o povo que a "necessidade é mestra de engenho".  E o povo nunca erra, que eu sei !

Mas se estes aspectos representam a parte "boa" da crise, ou melhor, a parte menos "má", que dizer-se de todos aqueles que fizeram emergir no ser humano, tudo o que de pior o caracteriza, tudo o que de mais reprovável ele encerra ?

Neste momento, o oportunismo, a má formação, o mau caractismo, a indiferença perante  valores (que de repente sucumbiram ao "salve-se quem puder" ), o inescrupulismo , o trucidar do companheiro, o sacanear do próximo, a mentira, ou então a cómoda  ausência de verticalidade, se essa puder prejudicar e comprometer ... manifestam-se a cada esquina, em cada local de trabalho, em cada grupo social !!...

Que dizer do encolher de ombros, do assobiar p'ro lado ( muito conveniente quase sempre ), ou até mesmo da conivência com situações comprometedoras, pouco claras, ou mesmo reprováveis ... só porque há que garantir os magros níqueis ao fim do mês ... a qualquer preço ??!!

Que dizer-se quando percebemos que as pessoas que julgávamos mais impolutas, verticais e dignas, afinal traziam ao pescoço,  um preço na coleirinha?!!!

Que dizer-se quando percebemos que os reais valores que norteiam o ser humano, são os do oportunismo, os da defesa estrita dos seus interesses, os da sabujice miserável, os da subserviência descarada, o "ficar-se bem no boneco"  ... ainda que no aconchego da sua  consciência, haja um diabinho reprovador e  inclemente ??!!

Que dizer-se então das pessoas instaladas, em lugares de cúpula ( seja ela qual for, e tenham lá chegado sabe-se lá por que meios ), que em manobras kafkianas, prepotentes, sem ética ou rigor, usam e abusam dos privilégios discriminatórios que esses lugares lhes conferem, do seu poder decisório arbitrário, e da sua falta de critério e princípios ... e jogam com os "peõezitos" no xadrês, divertindo-se , mexendo-os a seu prazer, movendo-os e manipulando-os maquiavelicamente, de uma forma aleatória, sem isenção, distante e indiferente ... puxando os seus cordelinhos, retirando os tapetinhos, e abrindo alçapões e ratoeiras ??!!
Conhecem para isso claramente o processo da emboscada, imbuem-se do gozo que dá o jogo do gato e do rato, usam, brincam, sequestram, limitam, desarmam, e reduzem ao silêncio, as presas que lhes caíram na teia ...
E iniciam processos persecutórios, discriminatórios, que destroem a vida das pessoas ...
Processos suicidas, sem defesa, com meandros obscuros e controversos, altamente discutíveis, porque cautelosamente engendrados.

É mais ou menos este, o filme de terror que se vive em muitas empresas, e locais de trabalho, dos mais humildes, às mais renomadas multinacionais, neste momento, neste país, nesta Europa dita civilizada, onde os Direitos do Homem são lei ... dizem !.

Se se cai na graça dos chefes, dos tais deuses de pés de barro que ali estabeleceram o seu reino omnipotente, tudo bem. A paz existe, o convívio privilegia-se, a camaradagem e mesmo a amizade, instalam-se ... até ver.
Mas se por um qualquer infeliz desígnio do destino, o "peãozito" se põe em bicos de pés, discorda ou questiona regras, valores ou determinações  ( mesmo  numa perspectiva pedagógica ) ,  se ainda que com razão, põe em causa posturas, abana estruturas, denuncia irregularidades abafadas, se torna incómodo porque estende o dedo acusatório a interesses instalados, desmascara o que jamais poderia ser desmascarado, "cutuca" vespeiros não convenientes ... mexe na merda ... Ah, então, sem direito a demais explicações, análise ou defesa, é arbitrariamente banido do tabuleiro, e confrontado com a ameaça velada, de não conseguir fazer jogo, em nenhum outro xadrês ...
Ao alcance dum simples "pufftt"... o destino de uma pessoa,  é jogado na sarjeta !...

E assim vai a vida de muitos portugueses ... acreditem !
De facto, "o mar não está p'ra peixe" ... E como há que sobreviver, ou as pessoas emigram nas condições que lhes surgirem, ou se submetem, entram no esquema, engolem sapos, aceitam as descriminações sem levantar "ondas", e tornam-se cegos "yes man" ... aceitam submissamente toda a gama de chantagens ou manipulações, de cabeça baixa ... depõem armas, empacotam os sonhos, as veleidades de justeza, de seriedade, de verdade e de aposta ... de luta, de profissionalismo ... em suma, aceitam "vender" os seus ideais ... por um triste "prato de lentilhas" !!!...

Já o D. Quixote se não deu bem ... e a crise ainda não estava instalada !!!...



Anamar