sexta-feira, 29 de abril de 2016

" ESCRITA "




Esta coisa de escrever doce e doída,
é parir um filho pelo peito
é dor da alma, desmedida
é sofrer sem remédio e sem ter jeito ...
É ter as dores de um parto que se faz
é dar vazão à alma, incontida
é morrer um pouco e não ter paz
é ser um ser errante, sem guarida ...
É ser um rio que não conhece margem
é ser vento que açoita sem piedade
é deixar-me arrastar pela voragem
é escorrência sem destino nem idade ...
E esta coisa que se impõe doce e sentida
indiferente à minha sina e à minha dor,
é parte de mim, por mim parida,
é no meio das pedras, uma flor !

Anamar

" A MESA DO CAFÉ "



Essa mesa do café
daquele café de então,
tem muito de mim guardado,
do que trago amordaçado
no silêncio e coração ...
É também escritório de sonhos
onde co'as letras converso ...
é local de passagem
de amigos desta viagem,
quando o "tempo" é adverso ...
Aquele lugar é meu
de direito e por paixão ...
Nessa mesa do café
daquele café de então
onde os versos e a prosa
voejam livres no vento ...
lá me busco e lá me encontro
lá me rasgo e me aquieto
lá me falo e me lamento ...
E a palavra escorre livre,
nem respeita mote ou rima,
desce da alma ao papel,
ao sentir, sempre é fiel,
com coração de menina !...
Não é mais palavra de ida
nem é palavra de volta,
já não é palavra dita,
é palavra só sentida ...
é palavra que se solta !...
Essa mesa do café
tem em si segredos meus ...
Nela, eu rascunho a vida,
escrevo o "guião" da partida,
como quem diz  um adeus !...

Anamar

segunda-feira, 25 de abril de 2016

" HOJE ... ABRIL "


               

                                         42  ANOS  DEPOIS ...

                                                197     42     016

Abril é poesia
coisa de um dia, de um só coração
Abril foi aquele ...
Abril-geração !
Que falta me faz lembrar esse Abril
p'ra levantar e partir
rumo ao futuro e sonhar ...
Já não te entendem, Abril
Vives na nossa memória
estás a perder-te na História
cansado de caminhar ...
E hoje, o Abril que amanhece
é um Abril que anoitece
na madrugada de então ...
Abril foi poesia ...
foi mesmo coisa de um dia ...
teve a cor de uma nação !

Anamar

domingo, 17 de abril de 2016

" NAÏF "





Queria enviar-te um beijo,
dos que guardo por aqui,
nas asas de um beija-flor
que conhece, meu amor,
o caminho até aí ...
Mas na verdade não sei
se o poderás aceitar,
porque há muito já esqueceste
todo o amor que prometeste
teres guardado p'ra me dar !...
Nas cambalhotas da Terra,
do nascer ao por do sol,
eras tu que me guiavas
e do chão me levantavas,
eras bússola e farol ...
E fui vivendo por ti
sonho a sonho, dia a dia ...
fui aprendendo a esperar
o que não sabias dar ...
e fiquei assim vazia !
Hoje, restaram-me uns beijos
na arquinha do destino ...
O beija-flor já passou
nem sequer aqui poisou ...
acha que eu perdi o tino !...

Anamar

segunda-feira, 11 de abril de 2016

" A MINHA MÃE "




Ternura é a palavra que a define.  Ou talvez seja generosidade ...

Fica difícil falar mais sobre a minha mãe, sem que me repita ... tanto já escrevi sobre ela ...
Tenacidade e combatividade enquadram-lhe o perfil de guerreira, de lutadora que não desiste, de mulher inteira, com M grande ... lugar comum, tão banal no seu caso ...
Porque ela é muito maior ... ainda assim !

Noventa e cinco anos de uma vida simples, sem exigências ou pretensões.  Uma vida de desapego, vivida em função de, e para os outros.
Uma existência de missão que cumpriu a sério, numa família da qual sempre foi o esteio.

Os últimos tempos têm sido demasiado duros.
Tempo de mais, a minha mãe teve os "circuitos" cortados com a vida.  Vivia porque respirava, falava e pouco mais.  Sobretudo, sofria.
A demência tomou conta do seu cérebro, reduzindo-a a um farrapo humano, a um vegetal.
Um esgar de gente, um ser grotesco que me aterrava ver, me destruía, me indignava, me enraivecia e revoltava, por impotência ...
Aquela mulher não merecia terminar assim !...
Várias vezes ansiei que a sua estrada alcançasse rapidamente o último porto de abrigo, e que finalmente a paz a pudesse envolver, como pedia ...

Contudo, e porque o destino tem desígnios que desconhecemos, como uma fénix, uma ganhadora, uma atleta de alta competição, apaga agora as 95 velinhas, renascida, uma vez mais !
A  minha mãe virou mais uma página, dobrou mais uma esquina, com a bonomia dos fortes, com a paciência da aceitação, com o gosto e a graça pelos dias ... de novo ...
Muito embora os seus dias sejam passados entre uma cadeira de rodas, um sofá e uma cama ...
Muito embora os seus horizontes se tenham confinado às lembranças que, com alguma nitidez, agora voltaram  a  acompanhar as suas horas.
Lembranças da sua casa que sempre foi o seu mundo, lembranças de todos quantos amou e há muito já partiram, lembranças da sua tão remota juventude, lembranças da sua vida pregressa, da infância das netas ... da minha própria meninice ... ou se calhar, saudades  maiores dela própria ... quando ainda  era a "Margarida", como costuma dizer ...
Ainda assim, neste momento ela escolhe viver, acordar por cada dia ... ela escolhe outra vez o convívio dos que a amam ... e satisfaz-se com o possível ... enquanto for possível ...

A minha mãe tem a tranquilidade dos que estão em paz, dos que cumpriram uma tarefa com sabedoria.
Tem a felicidade da transcendência ... daqueles que colocam além de si , a felicidade dos outros ...
Tem uma bondade infinita num olhar que ainda irradia luz ...
As suas mãos descarnadas não esqueceram o afago e o carinho, e o coração cansado ainda é colo e ninho ...
Tem a alegria simples de uma criança com um brinquedo nas mãos, e o sorriso travesso de quem acabou de colher braçadas frescas de estrelas da madrugada, e que trepou ao fim do arco-íris ... numa tropelia de menina-pintora do destino !!!...

Enfim ... a minha mãe é tão só ... a MINHA  MÃE !!!




Anamar

terça-feira, 5 de abril de 2016

" MELANCOLIA "






Quase noite, em mais um dia que se fez ...
No horizonte, o sol cansado já poisou
O silêncio e a penumbra vão descer
no caminho de quem caminho muito andou
Mais um dia que o destino já cumpriu,
menos um, nessa estrada a percorrer ...
Pássaro livre que me deixou e partiu,
um regato que correu veloz p'ro rio,
foi flor solta no vento, a fenecer !
Porque quem já caminhou, não tem p'ra caminhar ...
nem sonhos e ilusões tem p'ra viver ...
E quem muito cansou sem nunca descansar,
é barco que veleja à toa pelo mar,
é sol que busca o ocaso p'ra morrer ...
Ontem já é hoje, hoje é amanhã ...
Pressuroso,  o tempo varre o coração
com  uma impiedosa e insensível fria aragem,
como um incontrolável e rude furacão,
que nos arrasta  os sonhos como em turbilhão,
como um caudal insano que galgou a margem ...
Assim a nossa vida vai partindo ...
Os dias, o destino vai cumprindo
um a um ... vão seguindo a sua vez ...
A quietude e a paz do fim do dia,
são embalo, são doce melancolia,
em mais um fim de tarde que se fez !...

Anamar

sexta-feira, 1 de abril de 2016

" AS NOSSAS ESTAÇÕES "





Os primeiros farrapos verdes já assomam nas árvores e arbustos, com a doçura deste sol fraco da Primavera recém chegada.
Olhando de longe, ainda parecem despidos, com os ramos aparentemente nus, contra o céu, em contraste.  Mas olhando melhor, lá estão os brotos verdes, tenros e viçosos, promissores de cabeleira farta que se irá compor .
Mais um ciclo de vida a recomeçar, depois da sonolência do Inverno ...

Este renascimento que sempre acontece ano após ano, quando a Primavera ladeando a Páscoa promete a tal renovação da Natureza e do Homem, patenteia-se no mundo que nos rodeia e no coração do próprio ser humano.
Este, eclode  de um período sonolento, entorpecedor e escuro de um Inverno que nos hiberna, que nos introverte e de alguma forma, nos recolhe.
Foi um tempo de portas fechadas, de intimismo, de regresso, de reflexão e de silêncio ...

E depois, a explosão prometida anuncia-se, e há um deslumbramento generoso e excessivo, no mundo à nossa volta.
As  cores,  os  cheiros,  os  sons,  a  magnanimidade  de  tudo  denuncia-se,  mostra-se ... dá-se ...

Caminho pela mata, silenciosa e contidamente.
Maravilho os olhos, os ouvidos, o nariz, com a gratuidade da oferta em torno de mim.
A vida explode com a pujança de alma nova, com a irreverência de toda a juventude, com a força indomável das seivas revigoradas ... com o despudor de seios entumescidos ...
O "sangue" novo lateja, irrequieto e imparável.  A escorrência da perenidade exibe-se, cumprindo desígnios ...

Pensava para comigo : todo o ano o ciclo se repete !  A Natureza se concede uma nova chance.  A vida "emenda a mão".  A perfeição emerge do nada para a luz ... O caos e a ordem coexistem, na composição da realidade ... E a realidade se faz em milagre !...
Todo o ano, a árvore adormece, dorme e acorda.
Todo o ano se despe, para se engalanar outra vez, mais ricamente, se possível .
Todo o ano floresce, pomposa, frutifica, lança sementes na garantia da continuidade ...
Todo o ano atravessa Primaveras, Verões, Outonos e Invernos ... E recomeça, para voltar a atravessar mais ciclos de vida ... muitas e muitas vezes ainda ...
Não precisa ficar saudosa da Primavera que partiu.  Voltará uma outra, no próximo ano ...

O Homem não !

O Homem dispõe de uma única oportunidade.
O Homem usufrui de uma única vida, onde esgota sem retorno, todas as estações da existência.
E sempre sabe que a ordem que as sucede, jamais é subvertida.  E sempre sabe que esgotados os seus tempos, a inevitabilidade do mesmo, lhe impõe, sem volta, a que se segue.
E que a que partiu, partiu para sempre ...
O Homem sabe que tem ao seu dispor, um único ciclo ... e não mais.
Finda a sua Primavera, jamais "farrapos verdes" lhe brotarão de novo, no coração e na alma.
Jamais novos pássaros saltitarão nos seus galhos enfeitados.  Jamais novos ninhos habitarão as suas ramagens frescas.  As flores fenecidas não poderão eclodir outra vez, e os frutos maturados no pé, foram-no uma só vez na vida ...

Um ano ... um só ano nos é dispensado !...

Penso que tomamos consciência disso, frequentemente tarde de mais.
Penso que reflectimos pouco, a propósito.  Penso que esgotamos mal a vivência de cada "estação"...
Deveríamos sorvê-la à exaustão ... sabendo-a única ...
Deveríamos extasiar-nos sabendo-nos vivos, a atravessá-la ...
Deveríamos colher todas as braçadas de flores frescas, com que a Primavera nos prestigia ... todas as espigas das searas loiras dos nossos Verões ... todas as frutas maduras dos Outonos doces e pródigos ... e  toda  a  serenidade  e  paz  dos  rigores  dos  Invernos  destinados ...


Mas quase nunca o fazemos !...  Quase sempre o esquecemos !...

Anamar

quinta-feira, 17 de março de 2016

" DIVAGANDO "






"As pessoas são como as casas. Precisam de quem as habite " ...

Aquela casa está silenciosamente vazia.
As janelas cerradas não deixam que a luz penetre.  As portas fechadas não deixam que os sons a invadam.
Ainda está repleta, mas está vazia.  O único sinal de vida que ali persiste  é dado por duas plantas sobreviventes à hecatombe da existência.  Continuam a resistir com algumas gotas de água e com a claridade generosa da marquise.
Resta o som dos passos quando por lá ando,  restam as memórias percorridas quando deambulo  de divisão em divisão, feito um zombie dos tempos.
Sobram demasiadas imagens a desenrolarem-se diante de mim, quando me quedo e simplesmente penso ...
Há uma degradação lancinante, naquele espaço.  Há um abandono instalado.  Há um vazio atroz.  Há um silêncio sufocante ...
Àquela casa só sobram recordações de tempos idos.  Hoje, ela é uma tumba de histórias, de pessoas e de emoções.
Andam risos por ali, a esconderem-se pelas esquinas.  Andam  vozes por ali,  a negacear atrás  de  cada porta.  Andam  rostos  a  brincar  de  duendes  na  floresta,  entremeio  ao  arvoredo ...
Juro que os vejo, os oiço ... os escuto mesmo !
Basta-me fechar os olhos, por momentos ...

Mas a casa está silenciosamente vazia.  Escura.  Triste.  Só.  Decrépita.  Doente ...
Aquela casa está agonizante !  Perdeu, obviamente, a alma !...

As pessoas também.

As pessoas precisam habitar-se para estarem vivas.
Precisam povoar-se dia a dia, com sonhos, emoções, projectos, desejos, metas ...
As pessoas precisam abrir as janelas da alma, precisam inundar-se de afectos, lotar-se de amor, preencher-se de vida ... Impregnar-se de pessoas ...

O Homem é um ser gregário.  Não nasceu nem existe,  para ser  um edifício devoluto.
Desabitadas, as pessoas ficam inapelavelmente sós, estiolam e morrem !

Eu não quero saber-me uma casa mofada.
Eu quero escancarar as portadas, abrir as janelas, deixar-me ensurdecer de sons, de cheiros e de cores.
Eu quero deixar o sol e o vento adentrarem-me.
Eu quero que a chuva me abençoe e que a lua me visite, sem esquecimentos.
Quero a música dos pássaros, num embalo dolente, e o afago púdico das borboletas, em beijos roubados.
Eu quero um coração latejando, vivo e transbordante.  Um coração pulsante, que saiba rir, mas não esqueça o que é chorar.  Que saiba emocionar-se, sofrer e ser feliz ...
E  que  o  único  ar  que  me  falte, venha  da  sua  batida  descontrolada  por  vivências  abençoadas ...
Quero uma alma que confie e acredite.
Quero sufocar-me de sonhos ... ainda.
Quero empanturrar-me de vontades ... sempre.
Quero acreditar que continua valendo a pena ...
Quero remoçar-me nas ilusões da juventude ...

Não preciso ter tudo.  Basta-me alguma coisa ...
Mas sobretudo quero saber-me uma casa com gente ...
Quero sentir-me uma casa HABITADA !...

Anamar