terça-feira, 28 de novembro de 2017

" AS PEQUENAS COISAS "






Um dia talhado a pedido ...

Parece que a natureza, a vida, o tempo, sei lá ... resolveram dar-me uma colher de chá, nesta tarde mansa, cinzenta e chuvosa.
Frente à minha janela, o dia fechou docemente, o casario foi ficando restringido no alcance da vista, silenciaram os ruídos lá fora ...
Tudo se esbateu, como a subtileza de uma aguarela pintada.  Lá longe, na linha do horizonte pouco se divisa, e muito se pode imaginar.  Sei claramente tudo o que está para além, mas sou livre de voltear na aragem desabrida deste fim de dia e dançar por ali, nas correntes que empurravam há pouco as últimas gaivotas, que em recuo, se atreveram ...
Também como elas, posso esbaldar-me céu fora, sem limite ou barreira, sorvendo apenas a quietude e a paz !
Junto de mim, a música que sempre me acompanha, torna maior e mais cúmplice o aconchego que me envolve.
Deixo-me tomar pela emoção das pequenas coisas ...
Deixo-me o direito de me embrulhar neste silêncio gostoso, nestas notas largadas no éter, como cobertores envolventes, como macieza de lençóis de cetim, como sorrisos de madrugadas promitentes !
E é uma volúpia, um estado de graça, uma espécie de clímax, com o mesmo sabor de um orgasmo desejado ...
Quase não ouso mexer-me além do essencial.  Quase não ouso perturbar esta bênção descida, esta beatitude de silêncio e tranquilidade. Quase não ouso ... simplesmente ...

 E viajo.  Viajo pelas memórias, pelos lugares, pelas pessoas ... Todas.  As que amei, as que amo, as que me amam ... Mas também as outras ... as que não me escolheram ...
As que estão, as que se perderam, as que ficaram, as que partiram e me deixaram mais só ... Todas.

Olho os lugares. A minha infância, que foi o lugar mais seguro e certo que já tive. O cólo da minha mãe ... as mãos do meu pai ...
Depois, o amanhã que já foi ontem ... e o amanhã que será depois ...
Olho as marés nas praias todas que pisei. Recolho o que me trouxeram e o que levaram, no incessante vai-vém das ondas da vida ...
Olho as noites enluaradas a coroarem-se em auroras de desejos, sonhados em silêncios.
Olho o sol amarelo, laranja, vermelho do fogo de outros ocasos, de outros levantes , distantes ... À distância de memórias impressas debaixo da pele ...
Escuto os sons das matas, do vento, das vozes que se foram apagando no vórtice da intemporalidade ...
Escuto o grasnar das garças na renda da rebentação. Oiço o pipilar das aves ao raiar do dia. Comprazo-me com a melopeia incessante do pica-pau no coqueiral ... com o açoitar da chuva lá, na floresta  cerrada ... com  o  tamborilar  das gotas  aqui, na  vidraça  da  minha  janela ...
Impregno-me com os cheiros, adocicados das paragens inóspitas...   salgados, das maresias espreguiçadas ...
O cheiro das rabanadas no Natal dos meus avós ... o cheiro da coentrada na açorda de domingo ...

Enfim, o  privilégio das coisas pequenas e insignificantes  é  um brinde de dia de festa, é presente de aniversário festejado, é oferta para a alma e para o coração, recebida com a ternura e o carinho daquilo que não se compra , não se paga, não se exige ...
Recebe-se com o calor da emoção, surpreende-nos com a autenticidade do que não tem preço ... maravilha-nos com a força do inesperado, sempre novo e surpreendente ... ainda que seja apenas uma " pequena coisa " !...

Anamar

" INFERNO " - 15 Outubro 2017





E escureceu em céu e terra ...
De vermelho se pintou o universo
Vermelho, cor de sangue, cor de inferno
vermelho, cor de morte, cor de guerra ...
As ondas de loucura que avançavam
nos espasmos de um vento aterrador
sacudiam, destruíam e vergavam
as árvores que clamavam em estertor ...
A trenodia da floresta murmurava
súplicas aos homens e aos deuses
indiferentes ...                                       
De desespero e impotência soluçava,
no estrépito langor da morte que cercava ... 
mas como sempre, são os deuses, seres ausentes ...


E a noite que era noite, ficou dia
e  acendeu de horror a escuridão
foi das árvores silentes, agonia
foi um grito de revolta,
um coração sangrante, moribundo e estropiado
abraçando os troncos ainda erguidos
que p'la natureza-mãe foram paridos
e pela mão do Homem, sepultados !
Erectas sobre a encosta, amordaçadas,
como esfinges, árvores mortas, sonolentas ...
no verde da memória ainda gravadas,
de pé, para sempre recortadas
quais fantasmas, se acabando na tormenta !                             

E em tudo aquilo que restou,
não há cantos, não há sombras, não há vida
só o tempo, indulgente, dará paz ...
Silenciam os mortos que ficaram
são testemunhas injustas que tombaram
são a voz da floresta em despedida !

Anamar

domingo, 26 de novembro de 2017

" AFINAL ... "






Estou convencida de que afinal até gosto, e muito, do Outono !
De que afinal até gosto um bom pedaço da chuva !
De que afinal até amo perdidamente o friozinho com cheiro a castanhas no assador, que até amo o céu nublado que custa a definir-se, a "fumaça" a sair das bocas que falam ... e o silêncio cúmplice que paira quando nada é dito, e quase tudo é sentido !...

Afinal eu tenho umas saudades infernais, de calcorrear veredas e alamedas pisando firme a gravilha, deixando a aragem gelar-me o nariz, embiocando as mãos na malha das luvas e soltando o cachecol no desalinho da brisa ... sem destino ou norte, saboreando apenas porque sim ...

Tenho umas saudades infinitas dos cheiros a terra molhada, a musgos trepadores, a sombras húmidas e recolhidas, de caminhos que só tinham volta se eu quisesse ...

Tenho desejos insustentáveis dos silêncios, da ausência de gente, nestes castanhos, ocres e dourados.
De olhar os plátanos a despirem-se na intempérie.  De brincar com os ouriços preguiçosos das castanhas que ainda não tombaram ...
E do tamborilar de gotas  atrevidas  e  abençoadas,  na  época  em  que  a  chuva  nos  comprazia ...

Recuo no tempo e revejo o tempo, simplesmente... Volto páginas, dobro esquinas, abro dias, meses e anos ... Perambulo pela vida que desfila.
Era eu lá atrás, embora custe a crê-lo.
Era eu, eu e todos os sonhos que sonhei.  Eu e todas as esperanças que raiavam de verde pelas madrugadas.  Eu e uma cesta de rosas fora de época, contudo cheirosas e doces.
Era eu, aquela que dançava em desafio atrevido no meio das noites que eram minhas.  Ou talvez já não dançasse ... Daqui, não consigo já olhar tudo.  Uma bruma interpõe-se entre o hoje e o então.
Um nevoeiro corre as cortinas da mente ...
Seria mesmo eu ?!
Por que  restou  então  apenas  isto ?  Será  essa  a  inevitabilidade  da  existência ?  Onde  fiquei ? Onde me parei e esqueci ?
Em que pedra do caminho me adormeci ?  Em que encruzilhada me perdi ?  Em que labirinto me cansei ?  Em que estrada desisti ?...

Outro fim de Novembro a cheirar a bafio, a mofo, a solidão e abandono... Outro fim de Novembro a saber a raiva, a mágoa, a dor ...
Histórias mal terminadas ... Romances mal alinhavados ... Enredos mal escritos ...
As pirraças dos destinos jocosamente brincando de esconde-esconde nas nossas vidas !...

Anamar

sábado, 30 de setembro de 2017

" SEMPRE O OUTONO ... "




E o equinócio de Outono aconteceu.
O Verão partiu e com ele os dias prometedoramente azuis, quentes e luminosos.
Passei-o por aqui mesmo.  Nada de praias, nada de férias no que elas têm de especial, nada de significativa mudança de vida, na tentativa que se faz de a arejar quando se muda o local de poiso ...

Talvez por isso não me tenha verdadeiramente dado conta de que o ano está a iniciar o seu último trimestre, de que, mais um pulinho e é Natal outra vez, de que os dias escuros, curtos e sorumbáticos estão a bater-nos à porta.

Tenho sim, a sensação de uma escorrência demasiado célere de tudo isto.  Sinto dentro de mim um desejo imperioso, sonhador e utópico,  de fazer retardar a sua marcha ... Como se o pudesse ... como se isso fosse possível ... como se correndo em sua perseguição, numa qualquer volta a pudesse abrandar.
Como se pudesse retê-la antes de realizar tudo ou quase tudo que um dia sonhei ... que fui sonhando pelas esquinas da vida.  Como se esta tivesse comigo, uma dívida a saldar.

A nossa existência não se renova. É um bem de que dispomos, que devemos gerir com o cuidado e o carinho com que se trata tudo o que é valioso, mas frágil e insubstituível.
A precariedade com que tudo acontece, a aleatoriedade com que tudo nos surpreende  apelam e impõem que estejamos despertos e vigilantes, que não sejamos perdulários e estejamos atentos à fruição de cada pequena coisa que nos cai no regaço momento a momento, como presente em dia de aniversário, ou fruta madura pendida do ramo.
Estar por aqui, respirar, rir ou chorar ... viver afinal, deverão ser bênçãos que descem sobre nós, como a chuva doce em dia quente, que ameniza, envolve, embala ... adocica o caminho ...

Não tenho sido uma pessoa muito deslumbrada com a vida.  Por vezes arrasto-a, como quem carrega um fardo que me deixa dúvidas sobre as vantagens de o fazer.
Sobretudo nos últimos tempos, as "dores de crescimento" que tenho experimentado, fazem-me crer como  inevitáveis, demasiados danos colaterais.
Mas ainda assim, vagueando em pensamento até onde a memória mo permite, terei que concluir da generosidade de tudo quanto me tem sido disponibilizado.
Terei que concluir que se foi sendo assim, é porque teria que o ser ... E que as marés se sucedem nas subidas e descidas em praias que as acolhem ... E que as Primaveras sempre vêm no fim dos Invernos, sem nada que as altere ... E que depois do silêncio tantas vezes perturbador de noites escuras, sempre aclara uma alvorada que progride até à luz ...
Pelo menos, terei que entendê-lo como tal !... Terei que me obrigar a concluí-lo !...

E sempre assim, nas andanças das existências, por mais injustificáveis que as achemos ...

A vida é o sobe e desce dos carrosséis da minha infância ... É a ansiedade da subida, seguida da adrenalina louca da descida desenfreada, que atacávamos estugadamente, com um sorriso inevitável nos olhinhos matreiros pela satisfação da conquista do mundo ... parecia !...
Quando cavalgávamos aqueles corcéis de pau, em montanhas inventadas ... Quando o friozinho na barriga, nos tomava agradadamente, no desejo de que a viagem e a corrida não terminassem nunca !...

Mas éramos então crianças, e ainda não sabíamos grande coisa disto por aqui ...

Hoje, neste Outono doce e morno deixo-me tomar por uma lassidão de astenia de alma.  Deixo-me invadir por um silêncio que busco e desejo, na protecção da castanha no ouriço...
Fico e parto ... daqui.
Tenho que ficar, mas desejaria partir ... Subir ao pico da encosta, ao lugar tão alto que só tem céu e mar em contraste atrás de si, e adormecer por lá mesmo, afundando-me no musgo fofo das penedias, olhando as estrelas quando subissem no firmamento, escutando a brisa que promete ser vento qualquer dia ... simplesmente adormecer, quando o sol dormir também, lá longe, no horizonte vermelho, que sempre se acende p'ra noite ...

Na certeza de respirar a paz ... a paz que sempre sobe, gratuitamente, da Mãe, que é colo e útero...  Que é verdade suprema, primordial ... Que nos trouxe e nos há-de levar qualquer dia, e nos dará guarida e abrigo  na verdade única, matricial ...
Lá, onde reside a  nossa essência !...

Anamar

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

" NO DESACERTO DO PASSO ... "






Quando a Vida custa a acertar-se, é um cansaço atroz !
Quando os volteios  com que nos enrola, por cada dia que amanhece, se estendem temporalmente numa espécie de teste de resistência a cada um, numa repetição aparentemente sem fim ... aí, a resiliência pessoal  é mesmo a única coisa que pode ajudar-nos.
E esse grau de adaptação à realidade resiste enquanto resiste, enquanto a saúde deixa e a esperança não esmorece.  Enquanto ainda temos força no nosso íntimo ...
Mas é uma prova de fogo que exige uma "endurance"  de atleta de alta competição, que nem sempre ( ou quase nunca ), temos capacidade de alcançar, menos ainda de manter.
É um equilíbrio laborioso, alcançado a duras penas e com juros demasiado elevados.
Sobretudo quando os dias vão e vão e vão, esticando no tempo e na vida, os túneis se obscurecem, os horizontes se vão afastando cada vez para mais longe de nós ... num simulacro de meta a que nunca se irá chegar ...

E quando as pegadas  deixadas são demasiados e intermináveis rastos que se desenham em simultâneo nos areais da nossa existência, num desafio monstruoso e desproporcionado, abate-se então uma canseira que nos retira a capacidade até mesmo de viver, até mesmo de sobreviver ... até mesmo de nos erguermos sobre as nossas pernas por cada manhã, simplesmente !
São sucessivos e nunca desistentes reacendimentos, em frentes de fogo incontroláveis !

E apetece hibernar.  Apetece esconder a cabeça sob uma qualquer carapaça, na esperança de uma protecção providencial que abençoadamente nos subtraísse ao desafio de viver, à obrigação de resistir, à necessidade elementar de caminhar.
Apetece buscar um lugar anódino ... um refúgio a salvo ...
Manter o equilíbrio no desacerto instituído ... é urgente !

Estou assim, nesse "modo" alforreca, como uma amiga em tempos classificava este estádio letárgico e quase indiferente já.
Uma espécie de opção por silêncio, uma espécie de recolhimento auto-imposto, uma espécie de sono ansiado de uma sonolência abnegada ... misericordioso e comiserador ... uma espécie de escolha da paz do recolhimento de claustro de abadia ...
Queria que se esquecessem de mim.
Queria poder retirar-me para uma qualquer ilha  inóspita, perdida por aí ... como o protagonista do último romance que terminei de ler .
Queria habitar um farol sozinho e abandonado, sobranceiro  aos  rochedos, adormecido pelas ondas alterosas, ameaçado pelos ventos agrestes que empurram as gaivotas e despenteiam os arvoredos ...
Queria deixar-me possuir anónima, pelo encantamento melífluo de um lugar de paz, como se nada existisse à minha volta e eu não existisse também, numa anestesia ou torpor !

Para finalmente, nele poder repousar ...
Estou tão cansada !...

Anamar

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

" PEREGRINANDO "


Liberdade é ser poeta,
é pintar a noite negra
com as cores do arco-íris
É fingir acreditar
que ora é hora de voltares
quando eu sei que vais partir ...
É enfeitar as estações
É escolher sempre os Verões
em vez do Inverno frio
É ser dona do viver
conforme me apetecer
num insano rodopio ...
Liberdade é desbragar,
é rir ou então chorar,
fingir que tudo é verdade ...
inventar como eu quiser,
pois tudo o que se disser
ao poeta é perdoado ...
Ser poeta é liberdade ...
A maior que a gente tem,          
e é espelho de uma alma pura
Não se acomoda ao real,
mesmo sendo um temporal,
é uma doce loucura !

E por isso vou escrevendo ...
De palavras vou vivendo
não me importando o destino ...
E ao longo da caminhada,
ainda que  penosa a estrada,
levo a fé de um peregrino...

Anamar

domingo, 27 de agosto de 2017

" PELOS OLHOS DE UMA GAIVOTA "





A Senhora foi a banhos.  Literalmente foi a banhos ...
E não, não trajava fato a preceito, de acordo com o local e o dia que se fazia quente e ensolarado, ou não fosse o último domingo de Agosto.

Empoleiradas estávamos ambas.  Eu, no topo das escarpas de onde a vista sobre o areal era privilegiada.
Ela, no centro de um andor engalanado de flores, em ombros de quem o transportava.

A Senhora da Praia voltou a cumprir a tradição, e num verdadeiro postal turístico, honrou uma outra vez o povo daqui mesmo, que sempre a acarinha.
Saída da ermida construída nos fins do século XIX em terrenos de Keil do Amaral, a Senhora, venerada desde que segundo a lenda arribou aos rochedos das Maçãs trazida por mar alteroso como sempre é este por cá, foi descendo respeitosa e pausadamente o miradouro que ladeia as areias e as rochas.
A Senhora dos Mares ( das Azenhas ), S.Marçal, protector dos Bombeiros Voluntários que O transportavam, Nossa Senhora do Carmo que protege os surfistas das Maçãs e cuja imagem apoia simbolicamente a santa numa prancha de surf e era transportada nos ombros de surfistas com camisolas honrando o seu desporto de coração, eram apenas alguns dos nove andores que compunham a procissão..
Nossa Senhora de Fátima, Sto António de Lisboa, o Menino Jesus, S.José e o Sagrado Coração de Jesus, incorporavam ainda o cortejo.


Eu, procurava não perder pitada.

As bandas filarmónicas do Mucifal e dos Bombeiros Voluntários de Colares tocavam, a Guarda Nacional Republicana a cavalo, abria o desfile, a avioneta que iria cumprir o seu papel daí a pouco, sobrevoava o céu azul, e uma moldura humana de centenas e centenas de pessoas ladeava o percurso do préstito.
As individualidades políticas e sociais da zona, desfilavam.  Rostos conhecidos faziam-se presentes e  caminhavam a compasso.  É bom lembrar que daqui a um mês as eleições autárquicas estão por aí ...  Convém ninguém ser esquecido, neste "socialmente correcto " a preceito...

A multidão na praia aguardava, impaciente.  Uns, ansiosos em fervoroso ritual de fé religiosa.  Outros, curiosos pelo inusitado da cerimónia.
Afinal, não é comum que uma santa se atreva mar adentro !...
Não é comum, que os participantes  com as opas da irmandade de Nossa Senhora da Praia e os trajes e artefactos adequados à circunstância, com estandartes e andores, também o façam, no meio dos veraneantes, esses sim, de biquinis e fatos de banho !...
Não é comum, que no meio do mar  frente ao areal, os santos tenham recepção de gala por parte da imensidão de surfistas que os esperam e que dessa forma Lhes rendem  homenagem e expressam gratidão !
Não é comum, que meio mundo molhado quase até à cintura, aguarde pacientemente na rebentação, que sete ondas se façam, e só então ... do céu, uma nuvem de pétalas de rosa exploda e desça em cascata, sobre a Senhora da Praia, culminando dessa forma a emotividade do evento !

Até eu que sou gaivota  de vida dura em falésias escarpadas, gaivota de mar alteroso e mandão ... que pairo por aqui enquanto a vida me deixar ... que já vi coisas demais nesta minha curta existência de pássaro livre ... até eu, cujo coração quase me salta do peito, quando a borrasca faz cara feia às areias e a quem se atreve ... até eu, deixei correr uma lagriminha desobediente, bico abaixo, precisei sacudir a cabeça para que os olhos marejados desenturvassem, antes de me fazer aos céus, e agora bem lá de cima, de novo acompanhar a imagem da Senhora da Praia,  em caminho de recolhimento por mais um novo ano !...

Anamar

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

" VONTADE FINAL "




Quando eu partir, quero juntar-me a ele...
A esse mar que lá de baixo não cansa de me embalar, perdida que estou, no topo daquela arriba.
Ali, onde o silêncio pelo sol-pôr é cúmplice, onde a brisa corre sem pudor, onde os pássaros marinhos partilham a promessa do sonho, comigo.
Os rochedos agrestes e altivos despenham-se em abalada na direcção da rebentação, salpicados aqui e ali pela vegetação bravia e simples, sem exigências de recorte, humilde e sozinha.  Vegetação de vida solitária e dura, que ninguém plantou, adubou ... sequer regou ...

O alto da Aguda é um sítio de privilégio, uma espécie de santuário de memórias, emoções, sonhos ... é terra de quietudes, é relicário de palavras ditas, é repositório de vida ...

De lá divisa-se tudo o que começa e não acaba, os horizontes que sempre vão mais e mais adiante, o que não pede licença p'ra ser e simplesmente é ...

De lá, nos dias escuros de Inverno, o bramido das ondas alvoroçadas do Atlântico, açoitando as escarpas estendidas até onde a vista alcança e a imaginação inventa, saberá ser sono e embalo, regaço e útero,  p'ra quem o escolheu por companhia ...
E nas Primaveras e Verões, quando as flores amarelas que nunca tiveram nome, por ali despertam e se juntam aos carrasquinhos, às urzes e aos chorões que medram em desrespeito, há uma beleza ímpar e selvagem ... uma espécie de trágica despedida.

Tenho a certeza que ali serei eternamente feliz.
Eu, que serei pó, e não mais que pó, terei a liberdade do vento que passa, terei por velas  as asas das gaivotas que não têm amarras, terei por destino as luas que vão e que vêm e que das noites fazem dias, e terei à cabeceira, para sempre, a litania incessante das ondas, que nunca me faltará ...

Tenho a certeza que quem por lá passar, escutará o riso do silêncio de quem simplesmente se sente em berço de terra escolhida e de mar ansiado.
E  não poderá haver maior paz que aquela que advém de uma pertença natural e óbvia ... não discutida !

Lá longe, as arribas da Praia Grande, o farol da Roca, sinalizador intemporal, puladas que sejam as Azenhas, as Maçãs, a Pequena, a Adraga, a Ursa ... Do outro lado, o Magoito e tudo o que vai até à Ericeira, vislumbrada se em céu limpo e ausência de neblina ... emolduram as vidas, os percursos, as histórias, as lembranças ... e a morte também !

Porque a gente deve adormecer onde o berço nos seja mais fofo, onde a almofada nos seja mais mansa, onde as nossas raízes possam baixar e baixar aos interstícios da rocha dominadora que se precipita falésia abaixo, lá possam criar outras raízes, que darão novas plantas que não vergam nem dobram, mesmo entre meio às borrascas e aos ventos impiedosos ... para todo o sempre !...
Porque a gente deve adormecer onde os códigos da alma se miscigenem com as linguagens do coração e da existência, num alfabeto só por nós entendível !...
Porque a gente deve repousar no sólo que seja chão nosso, nosso aconchego, por nada ou por tudo ... não importa !
Porque aí teremos a paz da eternidade !

Quando eu partir, quero juntar-me a ele...

Anamar