domingo, 29 de maio de 2016

" ASSIM EU SOU "




Sou pássaro que à tardinha, na ramada,
repousa por instantes da canseira
de tão longa viagem fatigada ...
De estrada tão sem norte, caminheira ...
Sou búzio que o mar joga na areia
Sou alga que ele arrasta, sem piedade
Um barco a balouçar na maré cheia
Rocha já esquecida e sem idade ...
Sou poeira espalhada p'la ira do vento
Astro perdido, de galáxia errante
Sou poalha estelar, pelo firmamento
Sonho sonhado que ficou distante ...
Sou suspiro que do peito se soltou
Palavra largada na curva do tempo
Sou chama de vela que já se apagou,
Fogueira já extinta ... Já só um lamento ...
Sou alguém sem rumo, que crê e que espera
outro alguém, que no mundo nunca encontrou ...
Um ser que na vida cansa e desespera
por um amor irreal, que apenas sonhou !...

Assim eu sou, porque assim eu me fiz ...
Mulher, em menina que nunca cresceu
Alguém que viveu e não foi feliz
Nascente já morta, de um rio que correu !

Anamar

domingo, 22 de maio de 2016

" PORQUÊ ? "





As papoilas pincelam de vermelho os campos do meu Alentejo.
Alguém dizia que este ano, as há, em profusão.  É toda uma mancha a perder de vista, daquele "sangue" escorrido na planície.
Enternece-me olhá-las.  Recuo, revejo, sempre me emociono ...
As macelas pintalgam-nas, como num quadro de Van Gogh.  E tudo quanto é flor deita a cabeça de fora ...  É Maio e Maio não decepciona nunca !

Neste momento a minha vida vitamina-se quase só com os pequenos presentes,  que a Natureza, generosa, me oferece.
Bebo sol, bebo a luz estonteante de um céu claro, oiço os pássaros, vejo as marés incessantes no seu vaivém, escuto a música celestial de tudo o que é belo e nos cerca.  Sinto o vento passar-me no rosto, desalinhar-me o cabelo ... E só isso, já é uma bênção !
Deslumbro-me com o borboto que virou flor, com o tronco nu que se revestiu de farta cabeleira. Deslumbro-me com o cheiro das matas, da maresia, do pinhal ... do bosque ...
Tudo isso é um milagre oferecido !...

E não preciso de muito mais.
Aliás ... quase recuso a realidade circundante.  A minha realidade actual, cinzenta, desinteressante, dura, mórbida.  Uma realidade que marina entre a dormência e a morte.  Um cheiro fétido a água parada ...
Cada vez mais a indisponibilidade que nos rodeia, inibe o extravasar da nossa torrente interior.
Cada vez mais, reprime a exposição dos sentires, das dores, das dúvidas, das angústias ... dos medos !
Como se, expondo-as, nos sentíssemos de repente, nus, frágeis, vulneráveis ... pequenos ! E não é suposto.  Não é cómodo ... desejável !
O ser humano refugia-se então.
Recolhe às trincheiras da alma, encolhe-a, silencia o coração ... adormece a mente, como defesa.
Fecha  hermeticamente, tudo para o que não há espaço neste mundo ... quase sempre !
E sofre sozinho.  Padece anonimamente.  Morre paulatinamente ... em pequenas doses !

Olho para trás e tenho-me saudades.
É nestas circunstâncias, que pensamos em tanta coisa que não foi e poderia ter sido.  
Porque a não sabíamos ... quase sempre.  Também, porque se a soubéssemos, talvez a não acreditássemos ...

Por que não nos disseram que era p'ra dançar ao som daquela valsa de Strauss ?
Por que não nos disseram que era p'ra rir, rir muito ... gargalhar até cansar, quando o céu carregou e a chuva quente açoitou os corpos, naquela praia lá longe ?...  Onde os cheiros são doces, onde o cruzeiro do sul se levanta, e onde a estrela polar se não passeia, no firmamento enigmaticamente escuro ?!
Por que não nos disseram que era para guardar religiosamente e com cuidado, o frio da neve do Inverno próximo, antes que o Verão chegasse e o apagasse, na vida ?
Por  que  não  nos  ensinaram  a  viver  o  exacto  momento,  único ... que  era  aquele  e  não  outro ?
Por que nos deixaram deixar tudo pela metade, achando que haveria todo o tempo, inesgotável, para agarrar a outra metade ?
Quando afinal, o tempo  foi fumaça que se perdeu e diluíu mais além !...
Quando  o  que  era  muito ... era  tudo,  se  desfez  como  bola  de  sabão, de  criança  divertida !...

E assim vamos indo !
Assim vamos deixando esvaziar a ampulheta do destino.
Assim vamos pegando nasceres com pores de sol, deixando escoar pelo meio dos dedos, a areia da vida ... como se ela nunca fosse acabar.
Como se fosse indiferente, vivê-la agora ... amanhã ou depois ... como se ela fosse eterna e sempre nos esperasse a cada esquina !
Como se ela não esgotasse as braçadas de flores frescas, que p'ra nós colheu !...
Como se nós não esgotássemos, por cada dia, a capacidade de as agarrar, de lhes sentir o perfume ... de nos maravilharmos com a sua deslumbrante  beleza !...

Efémero ... tudo demasiado efémero !
Tudo tão veloz que nem voo de colibri, que quase sentimos, sem ver !...
Tão vertiginoso quanto o bater de asas da borboleta, que nunca conseguimos alcançar!...
Tão louco quanto o vento  que dobra a esquina, sem permissão ...

É Maio ... e Maio nunca decepciona !
Só a Natureza resiste.  Só ela se repete, se renova, se recria ... se reinventa, imemorialmente nos tempos !

Anamar

sábado, 21 de maio de 2016

" SILÊNCIO "




Um destes dias vou falar-te de mim
Vou contar-te dos meus silêncios profundos
e dos mundos
que não entendo e não sei ...
Vou falar-te dos sonhos
que já não me dormem  no peito
não repousam no meu leito ...
nem mesmo sei se os sonhei !
Vou lembrar-te a minha história
fechada no coração ...
Quando o tempo era de esperança
e a solidão não pesava
ainda, em mim ...
Quando o sol me abraçava
e quando as flores alindavam
as floreiras do jardim ...
Será que lembras ainda, quando o mar, em pensamento,
brincava com as gaivotas,
corria livre no vento ?...
E com ele, de mãos dadas
e coração ao pescoço,
dançámos nas alvoradas
p'las madrugadas de Agosto ?!
Eu só queria que lembrasses ...
Era como se abraçasses
aquela que eu era então ...
como eu te guardo em segredo,
e te amanheço bem cedo,
na concha da minha mão ...
Por isso,
basta-me só que ainda lembres
e já me fazes feliz ...
É tão grande a solidão
que me lembra a imensidão
do que o silêncio não diz ...

Anamar

segunda-feira, 16 de maio de 2016

" ILUSÃO "


Como estará agora o teu rosto ?
As linhas, as marcas, os sinais, vão-se perdendo no tempo.
Já as não sei !  Apenas guardo algum que outro pormenor ... que se tornou pormenor, no vórtice dos dias.
Os teus olhos ?
Sim, os teus olhos, eu sei exactamente que continuam verdes como maré de mar sem fundo.
E também sei que ao sorrirem, riem como olhos de menino  "levado", tenho a certeza ...
As tuas mãos ... ?
Vejo-as pousadas como pássaro no repouso da ramada.  Seguras.  Fortes.  Decididas.
Mas sei-as doces, irreverentes, curiosas ... quentes.
Mãos de embalo, de protecção, de norte ... de caminho ... Mãos sábias !...
O teu corpo ... ?
Esse está todo em mim.  Não tem erro !
Ficou-me tactuado, fielmente desenhado em decalque sob a minha pele.  Dentro do meu. Para sempre !  E um dia, juro, ainda vai comigo !
A tua voz ...?
Quando fecho os olhos consigo escutá-la, trazida pelo murmúrio do vento, que é meu amigo.
Sussurrante às vezes.  Imperativa, outras.  Sempre envolvente, na rouquidão com que, escutando-a, estremecia ...

Como estarás tu ... todo ?
Hoje, trucidado pela tempestade dos tempos que nunca se apieda do nosso desejo de imutabilidade ?
Quando a mudança é afinal a única garantia de tudo em que mergulhamos ...

Será que eu ainda conheço os teus caminhos ?  Será que ainda reconheceria o endereço do teu ser ?
Não, penso que já só existes na minha mente e no meu coração.
Aí existes sempre, todos os dias.
Fora deles, partiste há muito, levado pelas tempestades de Inverno que recolhem os limos dos rochedos, por cada recuo das marés.
Levado pelo sol vermelho que se põe p'ra lá dos continentes, p'ra lá dos oceanos, naqueles lugares que por instantes foram nossos.  Que sempre o serão !
Porque eles conhecem os nossos segredos, gravaram as palavras ditas, os risos soltos ... o amor que se fez  ...
Eles sabem-nos ... como ninguém !...

Visitas-me pelas madrugadas, quando os sonhos sabem que preciso.
Poisas-me na almofada, esgueiras o teu corpo junto ao meu, embalas-me o sono ...
Chegas a sorrir, com os olhos iluminando o caminho.  Com o abraço aberto.  Com o beijo pronto. Com o calor oferecido ...
Por instantes recuo no tempo e na vida, não querendo perder-te outra vez ...
Breve ilusão !

Partes ... sempre partes com o dealbar da madrugada.  Sempre te vais quando a última estrela se apaga no firmamento.  Quando a lua cheia deita para dormir outra vez, e quando eu acordo para a realidade que me sobrou ...
Sem espaço para ti !

Anamar

sábado, 14 de maio de 2016

" VIDA "




Viver é desassossego que não cansa
Estrada de rumo errante, atordoada,
e por ela andar, feito criança
sem ter mãos, sem ter colo ... sem ter nada !
É olhar as nuvens ...
Com elas partir quando o vento sopra e as leva ... indiferente
Velejar pelo céu e deixar-se ir
nos braços do sol ... rumando ao poente
É por cada manhã fazer uma festa,
como se uma esperança florisse no chão
Com a lua cheia, cantar em seresta
alegria nova de nova canção ...
É morrer e renascer por cada dia,
é levantar, ganhar asas e seguir
É chorar ... mas no meio da ventania,
do choro fazer versos, p'ra sorrir
É não valer a pena, já valendo
É perseguir o mar que não desiste
É ser o falcão no rochedo,
que sendo um condenado no degredo,
frente à tormenta é um barco que resiste !...

E por isso, viver é um cansaço ...
É uma história com princípio, sem ter fim ...

Mas se não viver,
como saber a força que detenho
e conhecer um pouco mais de mim ?!

Anamar

sexta-feira, 13 de maio de 2016

" A CHUVA "




A chuva que chega e que bate a vidraça
leva p'ra longe a desgraça do meu coração
É chuva-doçura que vem e que passa,
que tem dó da dor desta solidão
A chuva conhece por dentro, aquela que eu sou ...
sabe o que não digo, finge não saber ..
Companheira-irmã da sorte que tenho,
conhece em segredo, este meu sofrer ...
Dos sonhos sonhados, não diz a ninguém
Bate na janela pela madrugada
A chuva que chega que vai e que vem,
poisa de mansinho na minha almofada !
Conversa comigo ... fala-me do mar
conta como é, nele navegar ...
Fala-me da ânsia, sonho de partir,
seguir mais além ... voar, deixar-me ir
com ela que chega, que vai e que vem
e que sempre me traz, notícias de alguém ...
A chuva que chega e que parte, meus sonhos embala
Segredos trocamos, ao molhar-me o rosto
A chuva que chega em silêncio,  cala ...
mas sente e entende este meu desgosto !
Desgosto e cansaço desta vida vivida,
pedaços de vida não vivida, sequer ...
A chuva que chega, que vem e que parte
sabe como eu,  o que é ser mulher !...

Anamar

segunda-feira, 9 de maio de 2016

" QUANDO OS ANJOS DORMEM "





Anoiteci-me por aqui.
Anoiteci com o cinzento fechado da tarde, com a chuva copiosa que tomba, numa Primavera indiferente.
Uma que outra gaivota plana neste céu amorfo de emoções, com nuvens obstinadas a cerrarem o horizonte.
Demanda guarida, local de poiso.  Afinal, a noite assoma.
Há um silêncio perturbador, dentro e fora.
Lá fora, as famílias recolheram.  Hora de jantar, fim de dia ... fim de semana.
Tempo prometido.  Partilhas de "estórias" das histórias de cada um.
Aqui dentro, quatro paredes imensas, altas, frias, despidas ... como jaulas ou prisões.
Os gatos dormem há horas.
A música silenciou de tanto tocar.  Também ela melancólica, dormente ... igual à tarde.
As teclas do piano embalavam, numa dolência estranha, como se quisessem adormecer-me a mente .

Mais outro dia no fim !
Arde-me a garganta do que não falo.  Queimam-me os miolos do que não  pronuncio.
Peso.  O ar é pesado, sufocante.
A solidão estrangula ... sobretudo o peito.  Dentro dele, o coração.
Apetece-me gritar.  Apetece-me chamar.
Não corro o risco de ser ouvida.
Às vezes penso que esta casa é uma tumba.  É quando corro a chave na porta, quando cerro as cortinas,  porque lá fora ficou igual ... a noite desceu.
E todas as almas se preparam para o silêncio e para a paz.

É quando as sombras se agigantam, é quando o ruído do nada amarinha pelas paredes, trepa por mim e me enleia, como as raízes ancestrais enredam as ruínas.
É uma hora de desesperança.  É uma hora de desalento e de cansaço.
É quando os anjos dormem que ficamos mais sós ainda.
E acredito que a esta hora, quando o dia beija a noite de mansinho e as lamparinas do céu se acendem, eles esquecem os mortais por aqui perdidos ...

É tão só mais um crepúsculo da vida ...

Anamar