domingo, 19 de Outubro de 2014

´" É ASSIM QUE EU SOU !..."




É extremamente curioso, o ambiente de um terminal de chegada de aeroporto.
É um mundo dentro do Mundo !...
Seja na multidão que circula, seja na diversidade cultural que desfila, seja no multicolorido da pele, dos trajes, seja nas línguas, nos cabelos, no ar, dos que estão e dos que chegam ... seja nas emoções expressas ou na ausência delas ... seja no ruído de fundo, permanente, seja até nas bagagens que passam ... Tudo é uma curiosidade só !!!

É um espectáculo, estar simplesmente sentado, apenas olhando atentamente, sem urgências, analisando quem, com mais ou menos pressa, chega e parte.
Chega do grande coração intraportas que medeia desde a pista de aterragem à sala das bagagens, por corredores intermináveis, guichets, escadas e passadeiras rolantes ... e parte para o exterior, para a rua, para a grande metrópole ... para a vida lá fora, para o trânsito, para a chuva, o calor ou o vento, para a família ou para os hotéis, para alguém, ou para ninguém .

Os rostos em férias são diferentes dos rostos em trabalho.  O ar tranquilo dos que se adivinham veraneantes, é diverso do ar afobado, do fato e gravata, dos que se adivinham em trabalho.
As mochilas a que quase   se resume a bagagem despreocupada dos mais jovens, contrasta com as várias malas, avantajadas quase sempre, das famílias ou dos viajantes de uma faixa etária que nunca dispensa as "amenities " ...

Os operadores de viagens esperam fastidiosamente a chegada dos clientes.   Exibem mecanicamente o folheto informativo, gracejam entre si.  Às vezes parecem sonolentos.
Aeroporto, para eles, representa trabalho simplesmente.
Já nem curiosidade experimentam pelos rostos que esperam, massa informe que se repete em ondas, pelos dias e pelas noites.

Quem chega e sabe que tem quem o espere, abre um sorriso à porta de acesso, rasga esse sorriso quando encontra o rosto esperado no meio da multidão, e acena efusivamente enquanto empurra em ritmo acelerado, o carrinho da bagagem, pela rampa abaixo, na urgência do abraço, do beijinho, de mais sorrisos e gargalhadas.  Afinal, o chão firme já está debaixo dos pés ...

P'ra mim, um aeroporto sempre é um lugar de emoções.
Está inevitavelmente associado a destinos, a sonhos, a outras realidades, novas vivências e maior riqueza interior ...
A períodos garantidos, de afastamento das rotinas muitas vezes pesadas ...
Está associado a sol com outra cor, a mar generoso, rostos distintos, verde e flores, saberes e sabores, outros cheiros e outro vento ...  outra chuva, aventura e liberdade !
Há sempre um mistério desejado e doce, para além das salas de embarque, que não consigo disfarçar.
Mesmo quando não vou, mesmo quando ali estou apenas por acidente, e não saio do lugar ... o meu olhar guloso e atrevido infiltra-se, sem passaporte, percorre corredores, escadas, passa barreiras, adivinha os assentos de espera, olha a pista com os "monstros" alados em dormência de repouso, e o meu coração de caminheiro inquieto, sem rota definida, de viajante sedento e curioso  - que feito pássaro solto, salta de galho em galho  -  acelera as batidas, e lança-se no espaço, em velocidade de cruzeiro, a muitos mil pés de altitude, para um voo interminável e errante !!!

É assim que eu sou !...



Anamar

segunda-feira, 13 de Outubro de 2014

" HISTÓRIAS SEM HISTÓRIA ..."


O tempo está isto. Está esta coisa que se sabe ...
Mas também, sempre ele tem a culpa de tudo ! Por isso, ri ou chora, adocica ou sopra de fúria, se, e quando quer. Com estados de humor indiferentes aos estados de humor flutuantes, dos simples mortais.

Afinal a gente sempre reclama. Sempre achamos, do que reclamar.
É a humidade, é a chuva, é o sol forte demais, a desuso, é a ventania desabrida, é o ar trovoado que nos azara a cabeça, ou é o cinzento de um céu mal pintado ... Enfim, qualquer coisa é "bode expiatório", qualquer coisa justifica o desconforto, a vontade estranha de fugir, de voar p'ra outros céus,  outro chão ...
Qualquer coisa explica esta estranha ânsia de levantar ferro e zarpar ... zarpar por aí, por onde não houvesse vivalma ...de preferência ... digo eu !

Até os patos estão fora do lago...
Mais de vinte ponteavam há pouco a relva, na bordadura da água.
Cá fora a chuva cai, copiosa, insensível. Tenebrosa.  Toda a noite, toda a madrugada e por todo o dia, vento fortíssimo arremessou torrentes de água contra os vidros das janelas, empoleiradas neste terceiro andar, sobranceiro ao verde frondoso das árvores baixas e da relva do golfe, e frente ao cinzento uniforme e plúmbeo do céu, sem horizonte que o limite.

Está um tempo de borrasca.
O firmamento não tem nuvens ... é uma nuvem !   Inteiro, escuro e triste, desliza açoitado pelo vento, empurrado, como se fosse fumarada enfarruscada de chaminé de fábrica.
As árvores vergam, ameaçando quebrar, a temperatura caíu abissalmente, antecipando um Inverno em Outubro ... e as rajadas ruidosas, assobiam desaconchegando tudo e todos. Fustigando o corpo e macerando a alma !...

O silêncio por aqui, ouve-se ...

À excepção do assobio da ventania que se esgueira por qualquer não detectada frincha, à excepção do tamborilar forte das gotas de chuva nas vidraças, e do lamento queixoso da ramaria ... tudo o mais, é quietude.

Vi-os há pouco , à passagem ... aquele casal, na beira da estrada.
Dividiam uma protecção única, para a chuva impiedosa.  As roupas ainda ligeiras, obedecendo à convenção calendarizada, levantavam as golas, fingindo proteger.
Eu juraria estarem completamente encharcados, porque o vento desordenava o percurso da chuva .
E cingiam os corpos na tentativa de aconchego ... e seguravam o chapéu sem esperança, titubeante aos golpes desabridos ... e tinham os rostos iluminados, radiosos e coloridos do calor terno que os inundava, com  uma felicidade e um sorriso tão rasgado, que desafiava a autoridade dos céus ...
Eu diria que passeavam pelos intervalos das gotas, provocadoramente, desatentos ...
Tão demais o que os unia !!!...Tão de menos a intempérie que os rodeava !!!...

Anoiteceu-me junto às vidraças.
Sou eu, os dois gatos e a cadela, o universo espectador deste fim de dia.
Eles dormem.  Eu, alongo o olhar através da penumbra que desce mais e mais, de instante a instante, apagando os contornos deste quadro sem caixilho.
Espicho os olhos por entre as cordas que despencam dos céus, na tentativa de divisar alguma coisa, alguém ... lá longe ... mais além ..
Uma sombra que entrasse solidão adentro... Uma ária que me trinasse um rouxinol ... Um perfume que me subisse da mata ...
Ou tão só, na esperança  de descobrir onde pára a nesga de azul e os raios de sol ( neste anoitecer castigador ), que eu tenho a certeza, pairavam sobre o chapéu de chuva daqueles dois ...

Anamar

sexta-feira, 3 de Outubro de 2014

" INEVITABILIDADE "




Não sei como será viver-se, tendo como esperança de vida, não  ter esperança de vida ...
Não sei como será acordar-se, e por cada manhã  constatar que  mais uma noite passou,  e voltaram a esquecer-se de nos vir buscar, durante o sono ...
Para o bem ou para o mal !...  Ainda não foi desta ...
Não sei como é, olhar o mundo do poleiro da ramagem,  da emoção daquele galho que já foi nosso, e saber que os voos não se podem fazer com as  asas já cortadas ...

E sentir o fervilhar da vida por aí, ouvir dos projectos e dos sonhos, perceber a pulsação dos que riem, dos que falam e se agitam, e entram, e saem, e caminham ... porque têm caminho à sua frente ...
Conviver com o sorriso feliz e iluminado, dos que têm esperança ... porque têm vida !!!

E  não têm paciência, disponibilidade, vontade ou interesse, para ouvir aquela nossa história que nos garantem, repetida já,  cem vezes ...
E confrontam-nos  constantemente  com a confusão, a imprecisão,  a ausência de nexo da nossa argumentação ...
Eles lá  têm tempo para isso !!...
O tempo deles é precioso demais para o perderem  escutando nada de relevante.  Afinal, têm vidas que os solicitam, e onde  há  tanto  para fazer !...

E reclamam da repetição do repetido, da negligência dos nossos  cabelos brancos em desalinho, da indiferença ou da distância adormecida que nos embala ... porque as emoções nos falham, as forças se esbatem,  o cansaço se instala, a  mente  se  opaciza ,  na proporção da turvação crescente do nosso olhar... e da nossa cabeça !

Não sei como será percebermos que o tempo passou, muito depressa, que o nosso lugar do sofá, é quase só o que nos deixaram ... e que nos cabe viver, ou melhor, sobreviver  sem que façamos grande turbulência, exigências,  ou agitações de maré brava e perturbadora ...
Para que o estorvo que já somos, não se torne insuportável, e a nossa presença  quase já  muda ... inaceitável ...

E verificamos o ar entediado  e saturado com que não ouvem já as mesmas queixas, repetidas mil vezes, que falam das dores, da imobilidade, do desequilíbrio, dos sons  não ouvidos, ou das imagens não definidas ... Do que se confundiu, do que se esqueceu, do que se baralhou ...
Se tudo isso é verdade, é constante, é permanente ... e dói mesmo ?!
Dói no corpo alquebrado, no coração cansado e na alma entristecida ?!

A minha mãe tem noventa e três anos e meio.
Já por aqui falei muito dela.
Já contei como a sua história é de coragem, dedicação, força, tenacidade e persistência.
Nunca foi mulher de capitular face a adversidades e  a  tropeços.  A  sua vida  foi sempre mais a dos outros, em detrimento da própria.  A do meu pai, a minha, a das netas ... também  a dos bisnetos.

Agora garante estar  farta de por aqui andar.
As dores são insuportáveis, diz.  A autonomia desaparece diariamente, porque a decrepitude a incapacita de reger os seus dias, como sempre fez.
O seu sofá  é o mais alto poleiro da ramagem, de onde olha um mundo que já não conhece, já lhe diz pouco, e sobretudo, a cansa... A minha mãe está a querer desistir da caminhada !
Só pede que uma qualquer noite, se lembrem  dela,  por cá.

Olho-a e penso, num misto de emoções que não descrevo ... como será viver-se tendo como esperança de vida, não  ter mais esperança de vida ?!...

Anamar

quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

" DELETEM !... "



Estamos naquela hora em que o sol nos foge numa fracção de segundos.  Apenas o tempo de procurar os óculos, para percebermos que ele já foi por hoje, naquele azul diluído num laranja-fogo, lá longe ...
Está a por-se bem mais à esquerda, no meu horizonte visual, por detrás das antenas de telecomunicações encarrapitadas incomodamente no alto de um terraço, frente à minha janela.
Ainda assim, deu p'ra ver que se deitou numa espécie de água de maré baixa, quando o mar recua, e fica aquela serenidade no areal.

Levantei-me não há muito, constatei ...  E pensei como foi curto o meu dia, como se encurtando-o mo anestesiasse, doesse menos, por menos horas ter de confronto comigo mesma.
Porque, de facto, enquanto os sonhos vão e vêm na sala escura do nosso "consciente onírico", tudo desfila à revelia do real, e com sorte, deambulamos por espaços, por pessoas, por momentos que já foram, e que se não foram, muito provavelmente gostaríamos que tivessem sido ...

Estou assim ... não diria desequilibrada ... Não gosto do termo.
"Desestruturada", encaixa na perfeição.
Desestruturada é alguma coisa fora do contexto, fora do enquadramento ... fora da moldura.
Aquele pedaço de pano que esgaçou, sem hipótese de conserto, está totalmente desestruturado.

Um dia fica-se assim.  Quando os olhos, o peito e a mente, não obedecem a ordens.
"Florzinha de estufa", como diria a minha filha, que tem pouca queda p'ra perceber estas coisas fora dos enquadramentos rígidos de racionalidade, pragmatismo e objectividade, na realidade em que se mexe .
Fraca capacidade de resiliência.  "Frescuras" ... diria, se fosse brasileira.  Falta do que fazer ... dir-se-á.  "Vida santa " ... dirão os que analisam de fora ... " que não valorizo".
"Querer mais o quê ?... perguntam-se.
Tontinha, insana ... mal agradecida e parva !!!

Estão desde já, todos perdoados !
Estas coisas, não entende quem quer.  Sim, quem pode.  Quem é capaz.  Quem percebe.  Quem sente, ou sentiu .

Quase me culpabilizo por não ter uma razão comezinhamente palpável, que justifique o esfiapar deste tecido de refugo, que é a minha mente, sobretudo nestes dias coloridos a ocres e vermelhos de Outono, com o sol a dormir por detrás das antenas, só p'ra me desfeitear ...
Uma razão daquelas que fazem estatística.  Que engrossam colunas.  Insuspeita.  De peso.  Uma boa razão, de valer a pena !
Porque nos tempos que correm, só tem direito a lamúrias existenciais, quem sofrer de males maiores, aqueles que atacam as pessoas ditas normais, por azar, acidente, ou destino, nesta época de crise bravia.
Esses sim, mereceriam o nosso respeito, comiseração e solidariedade.

Só  que  há  "males  maiores",  tão  "mortais"  quanto  outros.  Que  uns  entendem ... outros  não !...
Também, não vou agora aqui discutir o sexo dos anjos !

"Em criança não nos despedimos dos lugares.
Pensamos que voltamos, sempre.
Acreditamos que não é a última vez " - diz Mia Couto.

Eu sempre olho para os lugares, bem ao contrário ...  Achando que é de facto a última vez.  Lamentando que o seja, quase sempre.
Por isso também, guardo uma religiosidade solene quando o sol amodorra, e os silêncios possíveis ocupam os espaços vazios por aqui.  Sempre penso, que muitos o vêem deitar sem que o vejam acordar amanhã ...

E pareço ouvir aquele meu amigo ( alguém, já não sei quem foi, dizendo a sorrir, abanando a cabeça desaprovadora ) : "Lá estás tu a ver as coisas dessa forma !  Tens é que pensar, quantos lhe assistem o despertar, isso sim !"

A velha história do copo meio cheio e meio vazio ...  A demagogia à solta !...

Este texto hoje, é um desconchavo mental.  Uma peça de "patchwork" de má qualidade !
Retalhos mal ajambrados, coisa atamancada e perversa ...
É lava de vulcão, cujo vómito súbito seria impensado ...
É tudo, e é nada !  É só um "botar para fora", neste Outono pesado e cansativo.

Querem um conselho ???   "Deletem !... "

Anamar

segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

" QUAL DELES ? "




29 de Setembro, Dia Mundial do Coração !...

Qual deles ?

Aquele  que  se  escaqueira,  com  alguma  frequência, e  que  é  responsável  pela  tensão  alta  e  baixa,  taquicardias,  AVCs, tromboses, e  toda  a  panóplia  de  doenças,  que  enchem  toda  a  panóplia  de  manuais  de Medicina ?

Aquele que faz disparar exponencialmente as estatísticas das doenças vasculares em Portugal, quiçá no Mundo?

Aquele que é responsável pelo recheio dos obituários, dos jornais que ainda os publicam ?

Aquele que entroniza anualmente  um S. Valentim qualquer, importado não há muito tempo, lá de fora ... que se nos meteu nos usos e costumes, e que reactiva  em cada Fevereiro, graças às técnicas de marketing e publicidade,  a economia  desta sociedade de consumo em que vivemos, "avermelhando" magicamente por um dia, o cinzentismo instalado  em muitas vidas ?...

Ou o outro ?

Aquele que normalmente não tem conserto, por mais congressos, colóquios, estudos aprofundados que sejam feitos ... por mais sumidades que  eclodam  na comunidade científica ?...

Aquele que não há tratados que o tratem, conselhos que o encaminhem, leis que o orientem, lógicas que o norteiem ?...
Porque ele é libertário, temerário, imprudente, voluntarioso, provocador, surdo e burro ?...

Aquele que não aceita correntes, nem cangas, nem mapas, nem caminhos, nem GPSs ?

Aquele que morre e renasce  constantemente, por um qualquer milagre mal explicado da Vida ?

Aquele que se regenera, que tem um impensável poder de cicatrização dos rasgões que o atormentam, e qual Fénix, renasce das cinzas, quando parecia ser improvável e um acto ciclópico, tal desiderato ?

Aquele que por tudo isto, nos faz sentir  aceitavelmente  estúpidos, gostosamente tontos, impressionantemente  tolerantes,  inexplicavelmente  cegos,  determinantemente ilúcidos ... com a agravante de o sabermos, e gostarmos de o ser ?...

Pois talvez seja simplesmente o Dia Mundial do Coração, " tout court " ... Nada a fazer !!!...

Anamar

quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

" QUERO VOLTAR ... "





O avião deixou a Portela, e rumou ... Rumou céus fora, já a noite se abatia sobre Lisboa.

Ela partira ... e ela, ficara.  Não entrou no aeroporto a despedir-se. Odiava despedidas ! Esta, em particular.
Largou-a ainda na rua, de mala de rodinhas deslizando na calçada. Tratou de engolir com força o nó que se lhe apossara da alma, tratou de opacizar os olhos para não perceber que afinal chovia ... meteu a primeira, no carro que não desligara, e seguiu .

Afastou-se dali, rápido.  E enquanto a segunda circular se lhe desenrolava  indiferente, mais indiferente ainda, mais distante da chuva, das luzes, das buzinas, ela se sentia.
Havia uma espécie de amputação no ar.  Uma orfandade definida.  Sentia a opressão que uma violência gratuita e arbitrária, instala no coração.

" É ... não tens a noção desta cidade ... É um amor-ódio que experimento em cada segundo ... não pára nunca !
Sempre um barulho de fundo ... A única semelhança entre as pessoas, é terem braços e pernas ...
Suja e arranjada ao mesmo tempo ... linda e feia ao mesmo tempo ... tanta gente, e tudo tão sozinho !...
Homens lindos e homens horríveis ... Caríssima ... Talvez venhas a gostar de passar temporadas, aqui comigo ... um dia ... Museus lindos, que precisam uma semana para se verem ...
Não !  Não tens a noção do que te falo !...  Multiculturalidade ... Cosmopolitismo ... Nas pessoas, não encontras uma fisionomia semelhante ... Tudo coexiste ... ninguém repara em ti ... Podes morrer, que ninguém dá por falta !... "

As primeiras mensagens, a trazerem o frio e o abandono, de lá ...
As mensagens de resposta, a levarem o cheiro da terra molhada da serra, o azul do céu, os raios do sol que é só nosso ... o verde da esperança e do ânimo ... ainda que a saudade, essa coisa tão próxima, não desentranhe nunca, e mortifique, a cada dia que nasce mais vazio ...
A incerteza, a dúvida, a angústia ! A inevitabilidade , que como todas, não é escolhida, impõe-se...
E depois, há aquela paixão que não se suspeitava. Aquela Lisboa que afinal é muito mais bela, que tem regaço de mãe, e braços de embalar ... Que tem colo, que é ninho, cúmplice e aconchegante ...
Há a gaivota no rio, e o vento que empurra a vela ... há o crepúsculo em Sintra, e há um Outono doce, dourado de plátanos a despirem-se, enquanto o cheirinho das castanhas no assador, sobe, e nos fala da casa ali ... do refúgio a esperar-nos, ali tão perto ...
E há o riso dos amigos, a força dos afectos ... as cumplicidades partilhadas com a mãe, com irmãos, com avós... com crianças ... Com família, que teve de desprender as amarras e deixar-nos  partir ...  
E há até o fado, que é frase feita, mas que é verdadeira.  Bate, e carrega em cada nota o que é ser português, e percebê-lo, por vezes tardiamente, quando nos escorraçam da nossa terra ...
E há o mar salgado ... com as lágrimas de Portugal a encherem-lhe as marés ...
A  nostalgia, é então a única coisa palpável,  que pinta o céu cinzento, lá longe !...

"Angústia... sim ...  Angustiada, vivo ... Talvez  a  confrontar-me em definitivo, com a injustiça de  ter que deixar o meu chão !..."



Anamar

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

" OUTONO "


 

O Outono parece ter chegado.  Mais cedo, afinal.
Depois de um Verão atípico e de uma Primavera que não tivemos, o tempo deu uma volta, os dias acinzentaram, o sol ganhou aquele brilho estranho que se percebe estar a apagar-se, embora ainda seja quente.
Um calor, que não nos espantaria  se de repente ouvíssemos trovejar.

Iniciaram-se as tarefas de preparação da " toca " para o Inverno que há-de vir.
Os putos andam ligados " à corrente ", pelo reinício das escolas.  Como se isso fosse a última maravilha do mundo, e como se os livros que agora afagam, miram e re-miram com curiosidade, não fossem rapidamente motivo de saturação e incómodo ... Não demora !
Os pais andam  obviamente a reboque, às vezes mais ansiosos que os próprios miúdos.

Quem já não tem esses "filmes", mesmo assim anda a sofrer da "síndrome" outonal.
Numa sanha estranha e inexplicável, lança-se à limpeza das casas, a fundo, lança-se à "purga" dos roupeiros, numa ânsia de os extirpar do antigo acumulado, e considerado já de inviável utilização.  Parece pretender-se deitar fora, junto com tudo isso, e com urgência, um pouco do "lixo de alma", pesado, cansativo e sufocante.

Na época da queda da folha, numa das fases de mudança profunda no ano, o ser humano também assume o espírito de equinócio, que desta feita, à semelhança da Natureza, é um período de interioridade, introspecção e  intimismo.
É o período de recolhimento, de hibernação, de adormecimento, de concha.

Eu, pelo menos, sinto assim !

Muito difícil sempre, atravessar este "túnel" !
Muito penoso sempre, arranjar forças para andar adiante.  Mais difícil de ano para ano, parece.
É como um fardo mais e mais pesado, com acumulação de tudo o que de negativo a vida parece encarregar-se de nos adicionar ao percurso, sempre na razão inversa da força anímica de que dispomos, e que enfraquece a olhos vistos.

Mas por outro lado, acredito que o Outono da vida, possa ser um tempo de privilégio para alguns.
Para aqueles que têm ninho, lura, porto, cais, luz, âncora ...
Para aqueles que têm raízes escoradas, referências seguras, que têm sossego no coração e vivem quietude na alma.
Esses devem fazer um tempo de fruição, de bem-estar, de enriquecimento espiritual, de acerto com o "caminho", de pacificação do espírito, de repouso interior, de plenitude gratificante, sem sobressaltos ou angústias, estou certa ...

Imagino aquela casa, bem simples, de quarto e sala, aninhada naquele jardim pequeno, de plantas bravas a bordejar o areão da entrada.
Imagino aquelas duas janelas ladeando a porta, e a cancela em madeira velha franqueando o acesso ... a gemer nas dobradiças ...
as roseiras de rosas singelas, com o  aroma tépido das Santa Teresinha, e as ervas aromáticas perfumando o ar.
Imagino os gatos ronceiros por ali ... Os de dentro e os de fora, em harmonia plena ...
E os pássaros que ficaram, buscando o aconchego. Porque os outros, já não pulam pelos galhos ... Partiram para longe, faz tempo !
Imagino a mesa junto à janela, salpicada de potes com alecrim e madressilva, a esmo ... espaço de escrita ou de leitura, na moldura do jardim lá fora ...
uma música calma, perpassando em surdina, para não espantar o som da aragem nas folhas, nem macular o tamborilar dos salpicos de chuva na vidraça, de quando em vez, em ameaços, apenas ameaços ...
Imagino uma luz acesa, velada, íntima, para não sobressaltar os sonhos, nem dispersar os pensamentos ...
Imagino aquela casa de Outono ... imagino ...

Por que será que imagino aquela casa, que de repente, pelo sonho parece tão minha ... se nunca a vi, se nunca a vivi, se nunca a senti ??!!...

E no entanto, é como se a cheirasse, como se já a tivesse palpado, como se conhecesse com perfeição a rugosidade da madeira da arca, como se soubesse com clareza a intensidade da luz que penetra pela janela ... como se ouvisse com nitidez o estalar do areão do caminho sob os pés que avançam, como se adivinhasse sem erro, os "gatos" daquele prato  do escaparate, como se olhasse a ramagem do cretone que forra o sofá ... e a soubesse minha, de há muito ...
É como se me passeasse por um espaço mais que familiar ... íntimo ... secreto ... e tivesse em mim um calor doce de compotas, num embalo de amarelos, ocres e vermelhos ... de castanhas quase no braseiro ...

Quase sinto a brisa lá fora, lembro as notas  do murmúrio do vento, e os cheiros que vêm voando, e que eu não sei se são salgados ou doces, se vêm do mar ou da serra ...
Tenho um xaile breve pelas costas, tenho o cabelo prateado em corrente líquida de intemporalidade, e tenho um cesto no braço, repleto de rosmaninho ...
Quase sinto ...

Por que será que temos estas coisas ?  Por que será que nos deixamos invadir por desnortes, que são isso mesmo... coisas inexplicáveis de orgias mentais, pura elucubração de demência ??!!...

Serão reminiscências de vidas passadas, ou sonhos de vidas futuras ???!!!...

O ser humano é meio doido,  mesmo !!!...

Anamar