segunda-feira, 21 de agosto de 2017

" QUE GRANDE MOLHO DE BRÓCOLOS !... "





Que diabo ... aquele bolo sabia-me a alfazema !!!

Era um bolo pequenino;  talvez pelo tamanho, eu estivesse a incorrer num equívoco.
Havia que comer o outro que jazia no frigorífico a aguardar, para tirar a limpo esta coisa espantosa : como é que um bolo sabe a um cheiro ?!...

Os cheiros são sensações olfactivas que aspiramos, intensamente inspiramos mais e mais fundo, p'ra termos certezas.  Os cheiros não são fisicamente transportáveis ao reino dos sabores, esses que provêm de alguma coisa que ingerimos, mastigamos, degustamos e engolimos, em princípio ... Mais ou menos deliciados, claro.
Por isso, como é que um bolo, mesmo que confeccionado com a dita lavanda, pode "saber" ao que a lavanda cheira ???

Mas sabia !  Tive todas as certezas depois de ter exterminado o último pedacinho ...

Já algumas vezes o creme abaunilhado que coloco depois do duche, ou o champô que uso no cabelo, me deram ganas de os dizimar ... Tudo porque me cheiravam ao que sabia o pudim flan !

Que belas salsadas nos meus sentidos, tenho que concluir !

Suponham que se aproxima de mim alguém com um pescoço que cheira ao leite-creme de que tanto gosto ??!!!
Estão mesmo a ver que se abre de imediato uma apetência draculiana de ferrar uma dentadinha no pescoço em risco !...

O ser humano baralha-se com facilidade ... eis a conclusão !
Se confunde um cheiro com um sabor, quer trincar esse cheiro, à procura do sabor que o sugestiona ... ou jura saborear um cheiro impossível de palpar, porque o perfume não tem consistência física, passível de ser deglutida ... como não se equivocar em muitas outras circunstâncias da sua vida ??!!...😏😏

Estamos pois mergulhados num mundo de subjectividades.  Nem tudo o que parece, é ... ou se calhar, muito pouco é, daquilo que julgamos acreditar sem margem de erro !...

E assim, com este molho de brócolos  ( que me atravessou esta tarde de uma canícula irrespirável ), me debato sem solução à vista !... ( rsrsrs )
Tudo culpa de quem me ofereceu dois "miminhos de alfazema" trazidos expressamente da Guarda ... Ou então do calor exagerado desta casa, que já me esturricou, seguramente, os poucos neurónios que ainda possam resistir, completamente padecentes de anosmia ou ageusia, sem remissão possível !!!

Anamar

domingo, 20 de agosto de 2017

" AQUELE DIABRETE "





A alegria, a boa disposição e a "corda" toda, são a sua imagem de marca.
Eu acho que vendo bem, vendo bem, o Kiko já nasceu a rir com aquele ar descarado, já nasceu com a agenda de afazeres preenchida para as décadas subsequentes, e um camião TIR de amigos e fãs para o resto da vida !...

É assim este puto reguila, de rosto sereno e iluminado, com uma bonomia com que amanhece e se deita, sem um pingo de gastura, aconteça o que acontecer ...
No "fair play", na desinibição  e na extroversão, "não há pai" p'ra ele.
É o meu terceiro, daquela fornada, com que se encerra cada Agosto, em cada ano.

Nasceu "ontem", e já leva um decénio de vida p'ra contar.
Vai iniciar a odisseia do segundo ciclo do Básico.  Mas nada disso constitui apreensão ou problema para o Kiko.
Já familiarizado com a coisa, mercê das vivências dos irmãos mais velhos, encara a "rentrée" escolar, como mero acidente de percurso, propiciador de reencontros com os colegas e amigos, propiciador de jogatanas de futebol com direito a joelhos esmurrados e tudo,  e depois, todas as outras actividades desportivas, extra-escola, no seu Sporting de coração.

Assim, cada início de ano, pós-férias algarvias, se resume a uma festa ainda maior se possível, na vida do Kiko.

É um menino doce, já o referi algumas vezes.
É o que primeiro chega à porta e se pendura no meu pescoço, quando os visito.
É o que se apresta a mostrar os cadernos, me narra os acontecimentos escolares, em carácter de urgência e me "aluga" o máximo tempo possível, para que nada fique esquecido.
É o que ainda me senta o cólo ... E como isso me sabe bem, na escassez de afectos explícitos por parte de todos os crescidos e dos que para lá caminham !...
Porque claro, as pessoas "crescidas" têm algum "pudor" em demonstrar manifestações mais "piegas", digamos assim.  Acho que deve ser isso ... ☺

O Kiko aniversaria hoje.  Já lhe chamei o "meu menino light "...
Desejo que o continue a ser pela vida fora, pois a boa disposição, o "fair play" e a ausência de stresses, são formas saudáveis de encarar a vida, são ferramentas inteligentes e a chave para que ela se viva num registo de arco-íris, em pleno, com responsabilidade e alegria, no seio de tantos quantos ( e são muitos, já o disse ), consegue reunir à sua volta, num círculo de amizades, que aquecem o coração e amparam ao longo da existência !

Por isso, Kiko, desejo-te um dia supimpa, ainda mais cheio de emoções fortes, peripécias giras e boa disposição, como são todos aqueles em que estás por perto !

Aqui de longe, beijinhos com todo o meu amor ... e não esqueças de guardar uma fatia de bolo p'ra mim, que sou gulosa como sabes !

Anamar

domingo, 13 de agosto de 2017

" A VIDA TEM DESTAS COISAS ..."




E por aqui vamos estando ...
Mais um ano passou e estamos de novo num outro 13 de Agosto.
Sempre o assinalo, sempre escrevo alguma coisa sobre esse dia do calendário redundante na minha vida.
A esta hora, aquela bébé loirinha, frágil, meio porcelana meio gente, já cá estava há meia hora.
Pelas três e dez de uma segunda feira de um Agosto genuinamente Agosto, quente e ensolarado como convém, fez-se ao mundo e a esta pista de obstáculos que é a Vida.
Quarenta e quatro anos já foram, já são muita história, já são uma fatia importante de tempo !
"Uma desgraça" !... diz-me ela, brinca não brinca ...

Vinte e oito anos depois, como também já contei, outro bébé loirinho, frágil, de novo meio porcelana meio gente, entrou-nos nas vidas.  E hoje, como a própria mãe ironiza, já fazem sessenta anos !... ( rsrsrs )

Falei há pouco com o António pelo telefone, para o parabenizar, já que esta data, mês de férias e ausências, sempre nos apanha afastados uns dos outros.
Saíu-me aquele vozeirão que me deixa incrédula e abananada.  Os graves, denunciadores de uma adolescência totalmente instalada, sempre me deixam surpresa, sem jeito, um pouco baralhada ... como se me tivesse distraído da vida e aquele menino a quem eu tocava a "Joana come a papa", ainda ontem, não devesse ter crescido !
É assim como que um milagre da Natureza, desembrulhado à minha frente e à minha revelia ...
O ontem e o hoje, a misturarem-se depressa demais... A escorrência do calendário, súbita, urgente, como se eu não tivesse já pernas para o agarrar ...

Com os netos creio que essa "descoberta" , consciencializada duma forma que sempre nos surpreende, é muito mais marcante do que com os filhos.
Com esses, convivemos em permanência, assistimos-lhes aos tropeções, aos sobressaltos, partilhamos  as evidências e as dificuldades em tempo real .
E porque ali ao seu lado  também somos obrigados a escalar, a esbracejar, a descobrir, a rir e a chorar ... somos actores permanentes nas suas vidas, de muito perto.

Os netos estão-nos dois degraus adiante.  Olhamo-los dos bastidores, de uma rectaguarda reforçada. Não somos interventores directos,  não temos que o ser ... Acompanhamos as suas existências em surdina, com a bonomia, a paz e a tranquilidade da sabedoria do tempo, de uma tribuna privilegiada, curiosa e disponível ...
A realidade corre-nos  por isso, paulatinamente e é mais mansa.
Mas sempre nos parece impossível que o tempo das fraldas, das papas, das cólicas e dos dentes malvados a nascer, já tenha passado.
E levamos então um soco no estômago, quando um belo dia, ali, postado à nossa frente está um jovem, quase um homem que se "atreveu" a ficar gente crescida ... parece que sem que tenhamos dado por isso, ou sequer nos fosse perguntado ...

E também por tudo isto, e porque hoje é mais um 13 de Agosto, resta-me dizer : " Parabéns Cláudia !  Parabéns António !  Obrigada por serem também uma razão para eu existir !...

Anamar

domingo, 30 de julho de 2017

" UMA VIAGEM DE CORAÇÃO ... "





O montado dormia ...
Afinal é quase Agosto e lá fora sentia-se claramente o bafo dos 40 graus que o termómetro acusava.
Nem uma aragem corria naquele braseiro.  Da terra ardente, levantava aquele halo de Alentejo interior que arfava ao respirar.  O castanho e ocre da charneca  ressequida, estendia-se até onde a vista alcançava.

Nem um som, nem um sussurro, sequer um gemido desprendido dos braços contorcidos dos sobreiros, figuras esfíngicas, sonolentas, resistentes, no recorte de um céu toldado pelo calor.

Sempre que os olho, rendo-me ao respeito, à admiração e à tenacidade.
São árvores guardiãs, algumas ancestrais, fiéis testemunhas de tempos e memórias.
De casca enrugada pela cortiça que as reveste, lembram-me os velhos encarquilhados, de olhos perdidos, com piriscas apagadas no canto dos lábios, que sempre esperam sem pressas, na sossega da fresca, pelos largos modorrentos das nossas aldeias ...
Também eles já são figuras silentes, também eles erguem olhares perdidos e implorantes ao céu, também eles se conformam tenazmente com os destinos ... sem exigências, expectativas, sequer esperanças ...

E ficam ali, pelas tardes dolentes, enquanto as badaladas do campanário vão ecoando, e as horas que recolhem o sol, avançam ...

No montado a tarde cai.  Alguma frescura se compadece ... As aves saem da sesta, para voos rasantes em busca do aprivisionamento para a noite.
As cigarras e os grilos desgarram.  Os cheiros e as cores daquele chão, sobem e abraçam-nos.
É o Alentejo a dar colo e regaço a todos quantos o deixam pulsar nas veias, rumo ao coração ...

Fui lá.
Ontem, fui lá, numa escapada de busca de arrego, de busca de paz e de partilha de afectos.
O monte estava lá, pertinho de Grândola, no âmago de uma terra que é morena e quer molhar os pés no mar, lá no outro lado da encosta.
Casa de amiga, que quando do coração, se torna casa nossa.
Cumplicidades, risos, histórias, conversas intermináveis e tão pingadas umas nas outras  quanto as cerejas o são ... memórias buscadas, dores relembradas e mitigadas pelo afecto que escorria,  numa conversa sem fim, à volta de uma mesa, na fresca do telheiro, na macieza de um sofá preguiçoso ... ou, caminho abaixo, na beira do tanque que refrescava os pés e nos soltava gargalhadas ...

Coisas que só entende quem as experimenta, que só são possíveis e permitidas por quem traz nas costas a sabedoria já doída dos anos, que só se tornam comuns e pressentidas  por amigas da mesma geração, com  linguagens  semelhantes, experiências  de vida  partilhadas  pelos  tempos e pelas épocas ...
Coisas simples, pueris e tão gratificantes, que nos levam outra vez lá atrás, ao fundinho das nossas estradas ...

Coisas de mulheres ... eu diria ... encontradas e partilhadas numa viagem de coração !...

Anamar

domingo, 23 de julho de 2017

" A GAIVOTA QUE GOSTAVA DE VERDI ... "



Abateu-se a tarde sobre a cidade.
Aquela luminosidade doce desceu, a brisa mansa corria.  As ruas estavam pejadas de gente bonita, de todas as raças e cores, que jogavam fora um bem estar de quem nada quer ou espera, num sábado à tarde ... Uma pressa sem pressa, numa cacofonia de palavras largadas, esvoaçantes e soltas em meio dos passantes ...

E eu por lá, ao largo, no largo ...
Verdi haveria de descer ao Chiado, em pleno Largo de S. Carlos, com o teatro à frente e a casa do "Mestre", atrás.
Pessoa circulava por ali. Bem que o sentia no empedrado silente do meu espírito.  Afinal, nascera, vivera, perambulara entre aquelas casas antigas, espreitara vezes sem conta a nesga de rio lá longe, em baixo ... parara pela Brasileira nas tertúlias ociosas, rabiscara versos, letras, palavras, com um cheirinho a céu de Lisboa ...

E depois, havia as gaivotas que em volteios incansáveis, asas estendidas, pescoços esticados, lembravam que o Tejo era vizinho e que a cidade é sua, de direito ...
Pairavam bem ali por cima, numa espécie de recepção e homenagem discreta ... cerimoniando o acontecimento .

Uma multidão colorida disputava os lugares sentados que já não existiam, acotovelava as esquinas, abordava o empedrado dos degraus, a soleira das portas, o poleiro das varandas sobranceiras ou, em última análise, simplesmente um pedaço de chão nas pedras da calçada ...
Lisboa fora chamada pelos acordes de um dos eventos culturais mais interessantes, generosos e fantásticos com que anualmente o Festival "Ao Largo"  mima a cidade, por estes meses de um Verão certo e seguro.
Ontem, seria Verdi o "mágico" de serviço, o virtuoso do mundo fantástico da música, o encaminhador do sonho que nos tomaria, ao escutá-lo.
A Orquestra Sinfónica Portuguesa e o Coro do S. Carlos, a soprano Cristiana Oliveira e o barítono Roland Wood, sob a batuta de Andrea Sanguineti, seriam os mentores da nossa evasão, seriam os fazedores do nosso fascínio e da nossa paz, numa viagem além do tempo e do espaço, num maravilhamento que não se descreve ... só se sente ... numa magia sem tamanho, enquanto a noite nos foi tomando conta ...

E Verdi desfilou.
A Traviata, o Rigoletto, a Aida, Macbeth ou Otello ... o Baile de Máscaras, Il trovatore entre outras peças inconfundíveis, culminaram com o tão extraordinário quanto esmagador Coro dos Escravos Hebraicos de Nabucco - Va, pensiero ...
Essas notas, esses acordes, a força dos tons imperativos, doídos, suplicantes dessa ária, sempre arrancam em "pianíssimo" um trauteio irresistível, enquanto que um arrepio nos percorre o corpo e os olhos se tornam involuntariamente húmidos ...

Toda a noite a olhei ...
Sobre a grinalda em pedra que encima as armas reais da Coroa portuguesa, na fachada do edifício de características neoclássicas e inspiração italiana setecentista, profusamente iluminado em festa, ela, aquela gaivota certamente de ouvido apurado, olhos perscrutantes e esmerado sentido estético, se abancou, meneando-se deleitada, ora num pé, ora noutro, bico p'a esquerda, bico p'ra direita, penteou as penas, ou sonhadora e estática simplesmente se quedou ...
Era presença real, imponente, imperturbável ... indiferente ao correr do tempo ...
Desejava talvez, tal como eu, que ele não passasse, para que  não fosse subtraída ao sortilégio que experimentávamos ...
Cá de baixo, eu acho que lhe via os olhinhos ... e julgo não mentir, se disser que ela sorria ...

E nem as notas mais troantes, os compassos mais estridentes, ou o esvoaçar céus fora das vozes fragorosas do coro, a estremeceram, assustaram ou afastaram ...
E ficou  solitária, extasiada, sonhadora ...

Giuseppe Verdi estava no Largo ... e aquela gaivota gostava de Verdi !...



Anamar

quarta-feira, 19 de julho de 2017

" POR JUSTIÇA ... "




" Há uma vila portuguesa entre os melhores destinos medievais da Europa"

Li esta frase nos media e agucei a curiosidade.

Eu, que tenho um fetiche imenso por me perder pelos destinos inóspitos deste país ... eu, que valorizo além da conta render-me à quietude de ruelas tortuosas do nosso interior ... calcorrear o empedrado silencioso das  aldeias mágicas povoadas pela ausência de vivalmas ... eu que sonho ao som dos sinos nas avé-marias dos campanários, e me emociono com os chocalhos de regresso aos estábulos pelo cair da tardinha ...
eu, que sou apaixonada pela autenticidade de gentes e locais sem maquilhagens ou disfarces, e que detesto por isso, as grandes metrópoles, de ritmos alucinantes e ciclópicos ... fui ler, por inteiro, o texto  que a frase supra-citada titulava.

Que vila, neste caso de uma vila se tratava, cumpriria os requisitos desejáveis para ser considerada um dos melhores destinos medievais da Europa ?
Seria o caso de  por lá, eu já me haver perdido alguma vez ?

Curiosa mas não surpreendentemente, pelo menos para mim ( e tenho a certeza, para muitos ), a vila eleita para este desígnio, era exactamente a vila de Marvão !

Pois bem, em Marvão me perdi não uma nem duas vezes ... mas mais, e sempre me pareceram de menos !...

Empoleirada no alto de S. Mamede, ostentando o seu castelo medieval, lá, onde "as águias voam de costas", tomando a perspectiva indiscutível do nosso Aquilino ... Marvão é de facto uma jóia rara no Alentejo interior deste país.
Tão interior  que, paredes meias com os nossos vizinhos espanhóis, é uma janela aberta e franca ao lado de lá, para além daquela linha imaginária que desenha a fronteira dos povos.

Marvão é terra de silêncios, terra de brisa sussurrante entre  meio dos rochedos alcantilados.  É balcão que se assoma planura adiante.  É parada  de mistérios inconfessados e alcova de amores e amantes perdidos nas ruelas sem rumo ou norte ...

Marvão nunca se me explicou.  Tão só se deixou sentir-se...
Mostrou-se, despiu-se, deu-se, gravou-se na minha pele, sem pergunta nem resposta, sem dúvida ou reticência, sem tempo ou idade ...
Marvão foi lenda, foi história, foi marco ... foi destino !...
Marvão foi indelével paixão para todo o sempre !...

Anamar

domingo, 9 de julho de 2017

" E QUE ME DEIXEM O LUAR ... "







De que me serve dizer-me
em jeito de me alentar,
que sonho voltar no tempo,
voar nas asas do vento
e deixar-me acreditar
que sou jovem outra vez ...
que tenho o mundo aos meus pés ?...

Que saudades eu vou tendo
dos tempos em que podia
desenhar o arvoredo
das estradas que percorria ...
Pendurava rouxinóis
sobre as águas dos ribeiros ...
Escondia luas e sóis
no alto das ramarias,
entre as folhas dos salgueiros ...

E eu podia, eu podia
inventar a minha história
mesmo do jeito que eu queria ...
E amava, como amava
os amores que eu inventava
e me faziam feliz ...

Hoje, os pingos na vidraça
são chuva doce que abraça
memórias que quero guardar ...
Sussurram ao meu ouvido
que o vivido, está vivido ...
já não faz nenhum sentido ...
que a saudade não o alcança,
que o coração não descansa
de tanta vida lembrar ...
Vida já sem serventia,
barco em meio de ventania
à beira de naufragar ...
E ...
como gaivota poisada,
de asa já morta, fechada,
ergo as mãos a suplicar ...
Sou estrela já apagada,
Sou manhã sem alvorada,
Não me roubem o luar !...

Anamar